Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

10/12/2009

Tarzan dos Macacos

Condensação da novela de Edgar Rice Burroughs
Harold R. Foster (desenho)
Libri Impressi (Novembro de 2009)
230 x 215 mm, 72 p., pb, brochado com badanas

Resumo

A história de Tarzan, o rapaz branco adoptado pelos grandes gorilas africanos que cresceu como um selvagem e o seu posterior contacto com a civilização dos seus pais e com compatriotas, é um dos grandes mitos do século XX, criado na literatura e depois ampliado pelo força das imagens do cinema e da banda desenhada.

Desenvolvimento
Este tomo, recupera a adaptação para a 9ª arte da história original de Burroughs, publicada em 1929 e que ficou para a história como a primeira banda desenhada em estilo realista, num tempo em que toda a BD era cómica. O seu responsável gráfico foi Harold Foster – que viria a ficar famoso como criador do Príncipe Valente – que, com um traço ágil, nervoso e dinâmico, com um apreciável domínio do preto e branco e dos jogos de luz e sombras e uma multiplicidade de enquadramentos, recria de forma magistral a misteriosa selva africana, a selvajaria das suas criaturas ou a elegância do homem criado pelos macacos.
É um clássico que hoje, 80 anos depois, mantém toda a actualidade e modernidade porque, apesar do texto no rodapé das imagens, se trata de uma indiscutível sequência gráfica narrativa, em que as (soberbas) ilustrações muitas vezes quase dispensam o texto escrito.

A reter
- A força gráfica de um clássico com 80 anos.
- O notável trabalho de restauro das ilustrações originais de Foster (explicado no final do volume) feito por Manuel Caldas a partir de quatro edições, aproveitando de cada uma o melhor de cada desenho, num trabalho de rigor, minúcia, entrega e paixão que o ocupou durante algumas centenas de horas e faz desta edição a primeira em todo o mundo a apresentar, completamente restaurada e em todo o seu esplendor, a feliz conjugação dos talentos de Burroughs e Foster.

Menos conseguido
- Eu sei que possivelmente não havia (economicamente falando) outra solução para a montagem deste livro, que publica duas tiras por página dupla: como cada tira tem 5 vinhetas, no topo da primeira página temos 3 vinhetas e mais duas no topo da segunda página e, depois, 2 vinhetas no fundo da primeira página e 3 no fundo da segunda. No entanto, pessoalmente, preferia apenas uma tira por página, o que implicaria um livro mais baixo e comprido. Esquisitices, dirão alguns...

Curiosidades
- Tarzan dos Macacos é considerada a primeira banda desenhada realista.
- Todos os que leram o (magnífico) Tarzan de Joe Kubert, poderão descobrir nesta edição como ele se inspirou (tantas vezes) no original de Foster.
- O mesmo se passou com Frank Frazetta, por exemplo para desenhar a capa mostrada aqui ao lado, claramente inspirada na última vinheta da página 35 (em baixo).

(Versão revista e aumentada do artigo publicado originalmente a 5 de Dezembro de 2009, na secção de Livros do suplemento In’ da revista NS, distribuída aos sábados com o Jornal de Notícias e o Diário de Notícias)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...