Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

11/08/2009

Le sauveteur

Jirô Taniguchi
Casterman (França, Abril de 2007)
150 x 210 mm, 336 p., pb, capa brochada com jaqueta

Resumo

Guarda de um refúgio nos Alpes japoneses, Shiga responde a um pedido de ajuda da mulher do seu velho amigo Sakamoto, que antes de falecer, 13 anos antes, o fez prometer que velaria pela sua esposa e filha. Deixa assim o seu “habitat”, para se embrenhar em Tóquio à procura de Megumi, a menor desaparecida.

Desenvolvimento
E embora Shiga não hesite em corresponder ao chamado que lhe é feito, é evidente o seu desconforto no meio citadino, de onde há muito voluntariamente se afastou. Este é um dos pontos de interesse deste manga, cujo tom – e tensão - se vai desenvolvendo num crescendo, à medida que o protagonista se aproxima do seu objectivo, sendo curiosa a comparação estabelecida entre o seu percurso e os passos necessários a uma escalada. Que, numa (longa) cena bem conseguida, acabará mesmo por acontecer, já na ponta final do livro.
Assim, em “Le sauveteur”, mais uma vez uma criação de Taniguchi confronta-se com a cidade, embora aqui o tom seja completamente díspar do de outras narrativas, nomeadamente “L’Homme qui marche”, com a contemplação a dar lugar à acção.
Apesar disso, esta é uma narrativa em que os diálogos têm um lugar preponderante, já que a busca de Megumi, mais do que em lugares, faz-se do questionar pessoas da sua área de conhecimentos ou das zonas (pouco recomendáveis, diga-se) que frequentava. A comunicação de Shiga, maioritariamente com desconhecidos, a maior parte das vezes pouco amigáveis ou pouco dispostos a ajudar, mas também com a mãe e o avô da desaparecida ou com os seus amigos alpinistas, é feita sempre com diálogos no tom justo, credíveis, convincentes, que fazem a história avançar, num ritmo propositadamente lento, sem saltos bruscos ou incoerências, e que permitem ao leitor estar sempre a par do ponto em que está a procura em que o protagonista se empenha.
Ao mesmo tempo, a par desta busca profundamente humana, Taniguchi traça um retrato (desencantado) de uma certa realidade japonesa que, apesar de chocante, não se questiona pela forma quase documental como é apresentada e que contrasta com a imagem sóbria que geralmente passa daquele país. E que faz com que o final, à primeira vista feliz, numa segunda leitura deixe muitas dúvidas quanto às marcas que os acontecimentos daqueles dias deixaram nos seus protagonistas.


A reter
- Os diálogos.

Menos conseguido
- A história ganhava se o leitor fosse mantido na ignorância da identidade do culpado e do destino de Megumi até mais perto do final.
- O contraste entre o ar (quase) semi-caricatural dos rostos das personagens e o traço realista (fotográfico) dos edifícios.

04/08/2009

Les Nourritures de l’âme

Vários autores (argumento)
Kim Dong-hwa (desenho)
Casterman (França, Janeiro de 2008)
169 x 240 mm, 176 p., cor, capa brochada com jaqueta


Projecto atípico, este livro nasceu de uma proposta da revista coreana “Positive Thinking” ao autor, considerado um dos mais brilhantes autores da sua geração, para transformar em bandas desenhadas pequenos contos dos seus leitores, que tinham em comum reportarem casos verídicos, exemplares pela sua sensibilidade e valor humano.
Nasceram assim 20 curtos manhwas (banda desenhada coreana), serenos, delicados e ternos, de grafismo e planificação (e cor) mais próximos dos quadradinhos ocidentais do que do manga japonês, que podem ajudar-nos a pensar no que é/deve ser importante no nosso relacionamento com os outros. O que, convenhamos, não é pouco.

03/08/2009

As Melhores Leituras de Julho

Gil Jourdan - L'Intégrale #1 (Dupuis, de Tillieux
A Teoria do Grão de Areia – vol. 1 (ASA), de Schuiten e Peeters
Clássicos da revista Tintin - Bernard Prince (ASA+Publico), de Hermann e Greg
Lulu Femme Nue – premier livre (Futuropolis), de Davodeau
Sábados dos meus amores (Conrad Editora), de Maurício Quintanilha
Superman & Batman #40 e #41 (Panini Comics Brasil)
Tex Gigante #19 – Arizona em Chamas (Mythos), de Nizzi e Victor de La Fuente
Turma da Mônica Jovem #6 (Panini Comics Brasil), de Maurício de Sousa

Zits – Pierced (Gradiva), de Borgman e Scott
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...