Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

11/10/2011

Tintin - As jóias de Castafiore

Hergé (argumento e desenho)
ASA (Portugal, Setembro de 2011)
160 x 220 mm, 64 p., cor, cartonado
8,90 €

Amado pelos críticos mas menos considerado por muitos leitores de Tintin, sendo por isso, possivelmente a mais incompreendida das obras de Hergé, "As jóias de Castafiore" é um verdadeiro exercício de estilo, com o qual Hergé pretendeu "contar uma história em que nada se passasse".
Como palco da acção, um espaço fechado - o castelo e a propriedade de Moulinsart - satisfazendo um desejo do capitão Haddock no início de O caso Girassol, de que muito se irá ele arrepender, mais limitado àquele espaço fechado do que todos os outros…
E onde, na verdade, pouco é aquilo que parece e (quase) nada acontece: não há as longas viagens que marcaram as outras aventuras, não há tiros nem perseguições, não há raptos nem grandes descobertas científicas, não há tesouros nem meteoritos, não há traficantes nem ladrões…
Mas estão lá muitas das personagens recorrentes da série, assumindo os papéis habituais, quase como que numa reunião da família Tintin: o irascível Haddock, o surdo Girassol, os trapalhões Dupond e Dupont, a distraída (diva) Castafiore, o insuportável Serafim Lampião, o imperturbável Nestor, o anónimo talhante Sanzot, o aldrabão marmorista Boullu, o enigmático pianista Wagner, a servil Irma…
Estão lá, em grande número, passando as pranchas a correr de um lado para o outro, sempre em busca de alguma coisa ou de alguém, mantendo o leitor em constante suspense à espera de algo que (apesar de tudo) nunca acontecerá, numa história em que o humor – brilhante no gag do degrau que percorre todo o álbum, na distracção constante de Castafiore, nas trapalhadas dos Dupondt, nas intervenções do papagaio, nos sucessivos motivos de exasperação de Haddock que culminam no anúncio do seu casamento com o “Rouxinol milanês” - tem um papel ímpar, e que o filósofo francês Michel Serres definiu como "um tratado da teoria da comunicação".
Por isso, também “As jóias da Castafiore”, datadas de 1961, revelam-se um fabuloso jogo de equívocos e de crítica de costumes – veja-se a forma como (quase) todos olham de soslaio os ciganos, veja-se a relação de (pouco) ódio/(muito) amor da cantora com a imprens, veja-se o retrato pouco abonatório da sub-espécie dos paparazzi (que apenas têm equivalente nos ignorantes bacocos cujo interesse doentio pelos ditos “famosos” os alimenta)…
A todos estes ingredientes, Hergé acrescentou uma técnica narrativa ímpar, numa perfeita conjugação de desenho e texto, numa legibilidade extrema – nada, em cada prancha, está lá por acaso… - numa sábia utilização dos balões ou da sua ausência, guiando o leitor de engano em engano, de pista falsa em pista falsa, de surpresa em surpresa, de conclusão enganadora em conclusão enganadora… até ao final surpreendente, inesperado, que coloca tudo no seu lugar, que revela como tudo aquilo em que Tintin se baseia para fazer diversas deduções ao longo do álbum estava antes disponível para o leitor, em que tudo encaixa na perfeição, em que tudo é explicado de forma (mais que) satisfatória, em que os intrusos que se multiplicaram em Moulinsart finalmente partem, deixando vazia a casa e sossegados os seus moradores, num regresso à normalidade.

A reter
- Julgo que não há álbuns perfeitos mas, a haver, este seria um dos candidatos àquele título…

1 comentário:

  1. Um livro excelente em que a solução do mistério está no primeiro quadradinho.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...