Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

31/03/2011

Anigamix’11

Local: Exponor, Matosinhos, Porto
Data: 31 de Março a 3 de Abril de 2011
Horários: 31 de Março e 1 de Abril: 10h-18h; 2 e 3 de Abril: 10h-19h
Entradas: 31 de Março e 1 de Abril: Grátis; 2 e 3 de Abril: 4€ (venda antecipada) e 5€ (venda nos dias do evento) - Válido para os 2 dias. Bilhetes já à venda nas lojas O Lobo Mau, Pressplay e Ekstra

Tem início hoje o Anigamix’11, a primeira edição de um evento que pretende celebrar a banda desenhada, a animação, os videojogos, o cinema, a televisão e a cultura japonesa, que desfrutam de cada vez maior popularidade junto das gerações portuguesas mais novas.
O Anigamix’11, que é organizado pelas lojas portuenses O Lobo Mau e PressPlay, decorre até ao próximo domingo na Exponor, em simultâneo com a Qualifica – Feira de Educação, Formação, Juventude e Emprego.
O programa é vasto e diversificado, contemplando aspectos tão diferentes como radiomodelismo, cosplay, karaoke, oficinas ligados à ilustração e à cultura japonesa, concertos musicais, concursos e a projecção de filmes animados.
De entrada gratuita hoje e amanhã, e a pagar no fim-de-semana, o Anigamix’11 dedica um olhar especial à banda desenhada feita e publicada em Portugal, por isso, durante o evento estarão patentes mostras dedicadas a “As Incríveis Aventuras de Dog Mendonça e Pizzaboy 2”, “Butterfly Chronicles”, “Zona Monstra”, “Obscurum Nocturnus”, “Sonho Sem Fim” e “O Amor Infinito que te tenho e outras histórias”.
Estes projectos serão apresentados pelos respectivos autores no sábado, a partir das 15 horas, antes da cerimónia de entrega dos VIII Troféus Central Comics (às 16 h), tendo lugar em seguida o lançamento da revista de BD “Zona Monstra” e uma sessão de autógrafos com a presença, entre outros, de Filipe Melo, Filipe Pina, João Mascarenhas, Rui Ricardo, Diogo Carvalho, Paulo Monteiro e Fil.
Do programa de domingo, último dia do Anigamiz’11, destacam-se a entrega dos Prémios PressPlay, que contemplam a produção nacional de jogos 2011, às 14h, e um concerto J-Rock com a banda Yoshi O Puto Dragão.
O programa completo pode ser consultado aqui e as actualizações aqui.

(Versão revista do texto publicado no Jornal de Notícias de 31 de Março de 2011)

30/03/2011

Às Quintas Falamos de BD (II)

Quim e Manecas 1915-1918
Amanhã, dia 31, pelas 21h00, no CNBDI, será apresentada a obra Quim e Manecas 1915-1918, de Stuart Carvalhais, com organização, introdução e glossário de João Paulo de Paiva Boléo.
Esta iniciativa insere-se no programa de encontros Às Quintas Falamos de BD, que o CNBDI levará a cabo até Maio, todas as últimas quintas-feiras de cada mês, sempre às 21h00.
Convidamo-lo a tomar café connosco amanhã.
Apareça, contamos consigo.


(Texto da responsabilidade da organização)

29/03/2011

Marvel Girl #1

Josh Fialkov (argumento)
Nuno Plati Alves (desenho e cor)
Marvel Comics (EUA, 16 de Fevereiro de 2011)
170 x 210 mm, 32 p., cor, comic-book, $2,99 US

Resumo
Recolhida pelo professor Xavier quando os seus poderes se começaram a manifestar, após a morte acidental da sua melhor amiga, Jean Grey revela dificuldades em controlá-los, especialmente no seu relacionamento com os outros mutantes.
Por esse motivo, é aconselhada a deixar a escola temporariamente e a procurar no seu passado as razões para o que se está a passar com ela.

Desenvolvimento
Este é mais um dos comics assinado por um autor português para a Marvel.
Curiosamente – ou talvez não… - é uma história mais europeia do que de super-heróis, puros e duros… Ou escrito de outra maneira, é uma história com menos acção e mais introspecção. Com menos “efeitos especiais”, combates grandiosos ou batalhas épicas com destruição a rodos, e mais diálogos (interiores…) e recordações pacatas (mas marcantes).
O que não implica obrigatoriamente menos interesse, pelo contrário – pelo menos para mim, embora reconheça que possa ser penalizador para os habituais consumidores do género super-heróis.
A história, embora linear, está bem construída, muito embora a razão para os problemas da mutante sejam – praticamente… - revelados logo à partida, o que lhe retira uma dose do interesse que poderia ter. Independentemente disso, tem alguns aspectos interessantes, nomeadamente a comparação entre os sonhos dos adolescentes amigos de Jean Grey e a sua realidade adulta.
Curiosamente, de novo – ou, de novo, talvez não – Plati Alves mostra-se menos à vontade no desenho dos confrontos entre Jean Grey e os seus amigos mutantes, logo no início, do que quando trabalha as cenas mais calmas. Aliás, é nestas que melhor se destacam a sua técnica, o seu estilo e a boa aplicação da cor que revela, conseguindo mesmo algumas vinhetas e pranchas muito interessantes, enriquecidas por uma planificação diversificada. E, quando retrata Jean Grey, consegue mostrá-la não só muito bonita mas também revelar os sentimentos que a possuem apenas pelas suas expressões. Terá sido por isso, até, possivelmente, que a escolha do desenhador desta BD recaiu nele.

A reter
- Algumas expressões da protagonista.


Menos conseguido
- Mais habituado à banda desenhada europeia, faz-me impressão encontrar na revista 10 páginas de publicidade – quase todas à própria editora – deixando-a com apenas 22 páginas (úteis) de banda desenhada…

28/03/2011

Peanuts – Obra completa – 1961-1962

Charles Schulz (argumento e desenho)
Afrontamento (Portugal, Outubro de 2010)
215x175 mm, 328 p., pb, cartonado com sobrecapa, 23,21 €


Resumo
Sexto volume da compilação integral dos Peanuts, inclui as tiras diárias e as pranchas dominicais publicadas originalmente nos anos de 1961 e 1962.
O arranjo gráfico é de Seth e a introdução da cantora Diana Krall (que curiosamente invoca mais as suas memórias dos Peanuts da animação do que da banda desenhada…).


Desenvolvimento
Escrever recorrentemente sobre um mesmo tema é (quase) sempre complicado.
É o que me tem acontecido – felizmente! – em relação aos Peanuts e a Schulz, seja por motivo de efemérides ou de novas edições, como é agora o caso. Escrevi felizmente, contrariando o que exprimi na primeira frase, mas não me enganei, porque isso me tem obrigado a debruçar uma e outra vez, com redobrada atenção, sobre uma das obras-primas que o século XX nos legou.
Correspondente aos anos 11 e 12 da vida da tira, este volume mostra os Peanuts em velocidade de cruzeiro, com a estrutura da série mais do que estabelecida e a personalidade dos intervenientes bem definida.

Nada que significasse estagnação ou repetição, longe disso, pois Schulz, então num dos seus períodos de maior criatividade, continuou a introduzir novas personagens e situações e a fazer experiências (gráficas, narrativas…). Foi assim que surgiu Frieda (com os seus caracóis naturais…!) e o seu gato Faron, que Linus (e por arrastamento Snoopy!) usou óculos durante cerca de um ano, que Sally teve um crescimento acelerado, que Snoopy começou a receber repetidas visitas de uns passarinhos, antepassados do
 (mais tarde) indispensável Woodstock... E se a maior parte destas inovações se mantiveram nos anos seguintes, outras desapareceram tão naturalmente como tinham aparecido, sinónimo da sua ineficácia – na óptica do autor ou dos leitores… - mas também da vitalidade e da personalidade da própria série.
Por outro lado, a leitura cronológica de um período alargado – dois anos, no presente caso – de uma tira diária como os Peanuts, extremamente rica a vários níveis, permite ver como Schulz abordava temas da actualidade (de então, claro!) ou recorrentes (mais evidentes uns do que outros): Natal, o aniversário de Beethoven, o regresso à escola, a queda das folhas no Outono, a época do basebol, as estações do ano, o Dia das Bruxas/Grande Abóbora… E como conseguia, inovar e renovar a cada nova abordagem - mesmo que por vezes as diferenças sejam apenas subtis… e por isso mesmo ainda mais conseguidas - quer de uns anos para os outros, quer na sucessão de piadas em torno de um mesmo tema, que se podiam suceder ao longo de vários dias ou poucas semanas.
Pesem embora as inovações referidas, estes Peanuts são aqueles a que os leitores já se tinham habituado, encontrando por isso exactamente o que esperavam deles: os sucessivos falhanços de Charlie Brown, com o papagaio, as cartas ao correspondente, no basebol ou perante os outros – embora haja também uma das raras respostas à altura que ele deu a Lucy; a dependência… de Linus em relação ao cobertor; a crueldade crescente das tiradas de Lucy, quer como psiquiatra, quer sendo ela própria (!); a (inexistente) relação de Lucy com Schroeder; a paixão platónica de Linus por miss Othmar, a sua professora; o protagonismo crescente de Snoopy – assumindo outras personalidades, a sua relação com a casota; as referências à rapariguinha ruiva por quem Charlie Brown se apaixona mas com quem nunca falará…
Em resumo, mais uma sublime oportunidade de descobrir os Peanuts de sempre de uma forma nova, renovada. Aproveitem!


A reter
- Ao longo da leitura fui assinalando as tiras e pranchas dominicais de referência ou que me pareceram mais conseguidas. Acabei o livro com umas quantas dezenas seleccionadas… Mais uma prova da genialidade de Schulz! Ou da sua coerência!
- A qualidade da edição, em tudo fiel à original. E onde se destaca o grafismo sóbrio, cuidado e atraente de Seth.
- A tradução de Gabriela Rocha, com conta, peso e medida.

Menos conseguido
- O tempo (excessivo) que tem mediado entre a edição de cada um dos volumes.

Curiosidades
- Logo nas páginas iniciais, Lucy enterra o cobertor de Linus, num episódio que serviu de base à primeira graphic novel dos Peanuts, a editada nos EUA por estes dias.
- Os “famosos” – do cinema, da BD, da música… - que têm assinado cada introdução, mostrando a universalidade da obra de Schulz.

Sugestão

- Comercializar à parte a caixa para guardar cada dois volumes da colecção. Ou incluir nos volumes respectivos um vale que permita depois obtê-las. O sistema actual, convida a esperar pela edição conjunta dos dois volumes em lugar de os ir comprando á medida que são publicados, o que é penalizador para a editora.

27/03/2011

Selos & Quadradinhos (33)

Stamps & Comics / Timbres & BD (33)
Tema/subject/sujet: Aku Ankka 1951-2001 / Pato Donald (revista) 1951-2001 / Donald Duck (magazine) 1951-2001
País/country/pays: Finlândia / Finland / Finlande
Data de Emissão/Date of issue/date d'émission: 2001

26/03/2011

Selos & Quadradinhos (32)

Stamps & Comics / Timbres & BD (32)
Desta vez não se trata de um selo ou série de selos mas da prancha dominical de 13 de Março de 2011 de Pérolas a Porcos, que Stephan Pastis criou a propósito da emissão norte-americana Sunday Funnies Stamp.

This time it's not a stamp or stamps but the Pearls before swine Sunday page of March 13, 2011, created by Stephan Pastis about the US post emission Sunday Funnies Stamp.

Cette fois, ce n'est pas un timbre ou une série de timbres, mais la Sunday page du 13 Mars 2011, de Pearls before swine, que Stephan Pastis a créé à propos de l’émission philatélique américaine Sunday Funnies Stamp.

25/03/2011

Leituras Novas

Março de 2011

Associação Tentáculo
Zona Monstra
Diana David, Joana Afonso, Filipe Andrade, João Amaral, João Raz, Fil, Hugo Teixeira, Gabriel Martins, André Caetano, André Oliveira, JCoelho, Filipe Duarte, César Évora, Manuel Alves, João Sousa, J. B. Martins, Carla Rodrigues, Rui Ferreira, Pedro Carvalho, Ricardo Correia, André Lima Araújo, Daniel “Pez!” Lopez, Luís Lourenço Lopes, Rui Alex, Ricardo Reis, Tiago Pimentel, Locato e Rodolfo Buscaglia, Miguel Santos, Bruno Bispo e Victor Freundt
Associação Tentáculo (Portugal, Março de 2011)
270 x 190 mm, 92 p., cor, brochada com badanas, 13 €

O sétimo número do projecto Zona será lançado amanhã, sábado, 26 de Março, às 18h45, na sala 2 do Cinema S. Jorge em Lisboa.
A Zona Monstra é composta por trabalhos com um denominador comum: a presença de Monstros... Monstros de todas as formas e feitios.
Este número será lançado na Monstra - Festival Internacional de Cinema de Animação, com o qual o nosso projecto encontra muitos pontos de contacto, mais não seja, com o tipo de temática e conteúdos.
São, desta vez, 92 páginas a cores.
Com capa da autoria de Filipe Andrade, a Zona Monstra conta com a colaboração de mais de 30 artistas, e apesar dos muitos autores nacionais “repetentes”, continua a apresentar o trabalho de novos valores.

ASA
Dragon Ball #7 – A perseguição
Akira Toriyama (argumento e desenho)

As Bolas de Dragão estão nas mãos da Red Ribbon e Goku e os seus amigos vão lutar contra estes implacáveis inimigos para as conseguirem recuperar. Para ficar mais forte e mais poderoso, Goku vai tentar subir ao topo da torre Karin que é protegida por elementos de uma tribo de índios, e onde vive Karin, um gato eremita com mais de 800 anos. Quem conseguir subir e atingir o topo, tem o direito a beber a água divina (a verdadeira fonte do poder), mas para isso tem de a conseguir tirar a Karin…

À PROCURA DE… ASTÉRIX
Estamos no ano 50 antes de Cristo. Toda a Gália está ocupada pelos Romanos… Toda? Não! Uma aldeia povoada por irredutíveis Gauleses resiste ainda e sempre ao invasor romano.
Mas onde é que se meteu Astérix, o mais célebre de todos?
Diverte-te a encontrar ao longo de 12 ilustrações, o nosso herói e outros personagens ou pormenores insólitos e aceita o desafio que te é lançado ganhando, à medida que avanças neste livro, os louros atribuídos ao campeão.
Livro com 12 ilustrações para os mais pequenos testarem as suas capacidades visuais.

Yu-Gi-Oh! #2
Kasuki Takahashi (argumento e desenho)

Um novo jogo vai começar no colégio Domino: chama-se Monstros de Duelo. As regras são apresentadas e o avô de Yugi mostra a sua carta mais rara. Kaiba, pouco escrupuloso, não olha a meios para a conseguir. Por isso, Yugi vê-se obrigado a iniciar um novo Jogo das Trevas…



Editorial Bizâncio
Aqui Há Gato 7 - Hollywood é demasiado Pequeno para mim
Darby Conley (Argumento e desenho)
Satchel é a personagem tonta de Hollywood É Demasiado Pequeno Para Mim, o filme concebido e produzido por Bucky-Kat, o gato siamês com um talento natural para a trapaça e uma desmedida mania das grandezas. No elenco de luxo deste filme podemos ainda apreciar o solteirão Rob Wilco.
Um candidato a Óscar, no mínimo.

Baby Blues - É Menina!
Jerry Scott (argumento) e Rick Kirkman
Há uma nova bebé na família? Conhece alguma futura mamã? Ou um futuro papá? Esta divertida colecção de tiras da premiada banda desenhada Baby Blues fará a delícia das jovens e das futuras mães e de qualquer membro da família que tenha de lidar com uma menina acabadinha de nascer.

Baby Blues - É Menino!
Jerry Scott (argumento) e Rick Kirkman
Há um novo bebé na família? Conhece alguma futura mamã? Ou um futuro papá? Esta divertida colecção de tiras da premiada banda desenhada Baby Blues fará a delícia das jovens e das futuras mães e de qualquer membro da família que tenha de lidar com um rapazito acabadinho de nascer.

(Textos da responsabilidade das editoras)

24/03/2011

Elizabeth Taylor (1932-2011)

Nos quadradinhos
Diva do cinema, ontem falecida, Elizabeth Taylor teve passagem fugaz pela banda desenhada, onde se inclui uma biografia na colecção “Mujeres Celebres”.
Apesar disso, ficou imortalizada como uma das mais célebres personagens femininas de Astérix, a rainha Cleópatra, a quem serviu – involuntariamente – de modelo. Aliás, mais tarde, Goscinny e Uderzo revelaram que a ideia para o livro, cuja capa original de 1965 é decalcada do cartaz do filme de Mankiewicz, surgiu exactamente após o visionamento da película, durante o qual se fartaram de rir. De Elizabeth Taylor, a Cleópatra de Astérix não herdou apenas o visual (incluindo “o nariz muito bonito”!), mas também os modos da actriz.
O sucesso da Cleópatra do celulóide, em 1963, interpretada por Elizabeth Taylor, deu origem a uma adaptação aos quadradinhos, feita na Argentina por autores desconhecidos, e a colagens ao tema mais ou menos evidentes, nos meses (e mesmo nos anos) seguintes, em histórias aos quadradinhos (e/ou nas capas) de títulos conhecidos como “Archie’s girl Betty and Veronica” #88, “Tales of Suspense" #44 (protagonizado pelo Iron man), “Adventure Comics” #291, "80pp Giant Lois Lane" #14, “Wonder Woman” #161 ou ”Rip Hunter Time Master”, este último um viajante do tempo que na edição #21 se cruza com a (também actriz) Lyz Traymore...
Mas, seria na BD que Elizabeth Taylor, casada oito vezes com sete homens diferentes, encontraria o homem dos seus sonhos, Herbie Popnecker, uma criação de Shane O’Shea e Ogden Whitney, em 1958, que foi estrela da revista “Forbidden Worlds”.

Feio, baixo e gordo, Herbie, que podia voar, tornar-se invisível ou falar com animais, entre muitos outros poderes que obtinha lambendo um chupa-chupa mágico (!), conquistou o coração da actriz na edição #116 mas deixou-a a suspirar por si, como ela fez a muitos homens ao longo da vida.

(Versão revista do texto publicado no Jornal de Notícias de 24 de Março de 2011)

23/03/2011

Mestre Gil e o Mistério do Sardoal

Ricardo Cabrita (argumento e desenho)
TAGUS e Câmara Municipal do Sardoal (Portugal, Março de 2011)
200x200 mm, 16 p., cor, brochado com badanas

Este é mais um exemplo de como as entidades públicas – quase sempre câmaras municipais – continuam a ser o principal empregador dos autores portugueses, no que à banda desenhada diz respeito, substituindo-se às editoras nacionais de BD (às editoras que em Portugal publicam BD talvez seja mais exacto…) quando deveriam ter um papel complementar.
Esclareça-se desde já que a culpa é das editoras em particular – e do contexto cultural e do mercado editorial português em geral - não das entidades, cujo papel neste particular deve ser louvado, pesem embora as limitações que normalmente têm este tipo de edições, nomeadamente a inexistente ou fraca divulgação e distribuição destas obras.
Mas adiante, chega de genera-lidades, voltemo-nos então para este “Mestre Gil e o Mistério do Sardoal“, editado com o propósito de “envolver os mais pequenos, chamando-lhes a atenção para os factos do passado que ainda hoje persistem” para lhes dar “instrumentos de análise para melhor compreender o presente e prepararem-se para o futuro”, lê-se na contracapa deste livrinho.
Esse será o seu maior defeito, o reduzido número de páginas, dando por isso a ideia que a Ricardo Cabrita faltou papel (que poderia ter sido retirado das quatro páginas finais destinadas a serem pintadas pelos pequenos leitores?) para explanar e desenvolver um pouco mais este passeio pelo passado e presente da religiosidade do Sardoal, traduzida principalmente pelo seu retábulo quinhentista e pelas expressões de arte popular que têm lugar cada ano, na Páscoa, nas igrejas e capelas locais.
Cabrita, já autor de uma interes-sante biografia de Fernando Lopes Graça para a Câmara Municipal de Tomar, opta aqui por um traço mais caricatural com personagens de narizes grandes, na tradição de muita da BD humorística franco-belga – tendo em conta o público-alvo do livro – para dar vida ao seu Mestre Gil, mas combinando-o de forma conseguida com um tratamento mais realista e rigoroso dos cenários, merecendo realce a forma como integra na narrativa, que percorre várias épocas, os azulejos que ilustram uma tragicomédia da autoria de Gil Vicente, eventualmente nascido no Sardoal.

22/03/2011

Leituras de Banca

Março 2011
Títulos que começaram ontem a ser distribuídos nas bancas portuguesas.

Panini
Manga
Vampire Knight #2

Marvel
Avante Vingadores #43
Homem-Aranha #104
Os Novos Vingadores #79
Wolverine #68
X-Men #104
Universo Marvel #1

(Será que é finalmente este mês que se estreia este título, já duas vezes anunciado?)

DC Comics
Batman #93
Liga da Justiça #92
Superman #93
Universo DC #2

Turma da Mónica
Almanaque da Mônica #23
Almanaque do Cascão #23
Almanaque do Cebolinha #23
Cascão #45
Cebolinha #45
Chico Bento #45
Magali #45
Mônica #45
Ronaldinho Gaúcho e Turma da Mônica #45
Turma da Mônica – Almanaque Temático #15
Turma da Mônica – Colecção Histórica #19
Turma da Mónica – Saiba mais #36 – Amazônia
Turma da Mônica – Uma aventura no parque #45
Turma da Mônica Jovem #27


Mythos
Devido a um problema de desalfandegamento, este mês serão postas à venda os títulos anunciados para o passado mês de Fevereiro.

21/03/2011

Selos & Quadradinhos (31)

Stamps & Comics / Timbres & BD (31)
Tema/subject/sujet: Oliver Rameau País/country/pays: Bélgica/Belgium/Belgique
Data de Emissão/Date of issue/date d'émission: 21/03/2011

Hoje, um exemplo dos DuoStamp belgas. São selos de colecção, de tiragem limitada (e custo acrescido), divididos ao meio: à direita o símbolo dos correio belgas, à esquerda o tema. No que à BD diz respeito, já houve emissões consagradas a Tintin, Bob et Bobette, os 60 anos da Lombard... Hei-de voltar ao tema.

Aujourd'hui, un exemple des DuoStamp de Belgique. Ils sont timbres de collection, en édition limitée (et bien payée), divisé en deux: à droite le symbole de la poste belge, à gauche le thème choisi. En ce qui concerne BD, il ya eu des émissions consacrés à Tintin, Bob et Bobette, le 60e anniversaire de Lombard ... Je reviendrai sur le sujet.

Today, an example of the Belgian DuoStamp. They are collectible stamps, from limited edition, divided in half: at right, the symbol of the Belgian post; at left the topic. With respect to BD, there have been issues devoted to Tintin, Bob et Bobette, the 60th anniversary of Lombard ... I will return to the topic.

20/03/2011

Japão

A tragédia japonesa vista pelos cartoons
Poucas horas após o primeiro tremor de terra no Japão, várias pessoas se manifestavam no Twitter contra as anedotas que de imediato começaram a circular.
Esta tem sido, aliás, uma questão recorrente quando tem lugar uma catástrofe similar: qual o lugar do humor perante um evento destes?
Nesse sentido, há alguns anos, numa entrevista que lhe fiz para o Jornal de Notícias, Wolinski, um dos grandes cartoonistas franceses, a propósito dos atentados do 11 de Setembro, afirmava: “Não podemos rir de tudo... Nesse caso fiz desenhos simbólicos. Não procurei divertir, procurei a emoção.”
Numa época em que o cartoon editorial está presente em quase todos os jornais, a tragédia que o Japão ainda vive não escapou ao olhar e ao traço dos criadores gráficos.
Uma simples pesquisa na Internet permite descobrir um grande número de desenhos alusivos, nos quais se destaca o uso recorrente de alguns símbolos: a bandeira japonesa, em especial o círculo vermelho, representando uma ferida, sol posto (desespero) ou sol nascente (esperança); o sinal nuclear associado ou substituindo elementos da cultura nipónica; variações sobre a pintura “A grande onda”, de Katsushika Hokusai, feita sinónimo de destruição, com a montanha original substituída por chaminés nucleares ou destroços urbanos.
E se à maior parte deles é comum uma grande sensibilidade e contenção, apelando mais à reflexão do que ao riso, a verdade é que algumas polémicas têm surgido, com alguns leitores a insurgirem-se, obrigando mesmo, nalguns casos, os autores a explicarem-se ou os jornais a pedirem desculpas públicas, como aconteceu, por exemplo na Malásia, na sequência da publicação de um desenho de Zoy que mostrava Ultraman, um conhecido herói japonês a fugir de uma onda gigante.
No Brasil, onde a polémica também surgiu, Laerte, nas páginas do jornal Folha de S. Paulo defendeu um colega, afirmando: "Usando um ícone da cultura japonesa, ele remete a uma reflexão sobre contrastes: o milenar, permanente, sólido; e o instantâneo, devastador. Isso é um alerta, não um sinal de zombaria".
Ao mesmo tempo, têm sido criados sites como Tsunami – Des images pour le Japon, do ex-argumentista de Spirou, Jean-David Morvan, que reside no Japão a partir de onde tem tentado fazer a ponte entre a BD ocidental e a japonesa, que reúnem ilustrações de vários autores, nascidas como um acto de solidariedade para com o povo japonês.
É essa, também, a intenção deste texto.

(Versão revista e aumentada do texto publicado no Jornal de Notícias de 19 de Março de 2011)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...