Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

30/09/2011

As Melhores Leituras

Setembro de 2011

 Agencia de viajes Lemming (Astiberri), de José Carlos Fernandes

É de noite que faço as perguntas (Saída de Emergência), de David Soares (argumento), Jorge Coelho, João Maio Pinto, André Coelho, Daniel da Silva e Richard Câmara (desenho)

Kick Ass – integral (Norma Editorial), de Mark Millar (argumento) e John Romita Jr. (desenho)

J. Kendall – Aventuras de uma criminóloga #76 – A históriade Jason (Mythos Editora), de Giancarlo Berardi e Lorenzo Calza (argumento) e Ivan Calcaterra e Antonio Marinetti (desenho)

Le policier quirit (Casterman), de Roger Seiter (argumento) e Martin Viot (desenho)

Lucky Luke - Na pista dos Dalton (ASA), de René Goscinny (argumento) e Morris (desenho)

Une nuit de pleine lune (Glénat), de Yves H. (argumento) e Hermann (desenho)

Poulet aux prunnes (L’Association), de Marjane Satrapi

Sept personnages (Delcourt), de Fred Duval (argumento) e Florento Calvez (desenho)

29/09/2011

Le policier qui rit

Colecção: Rivages/Casterman/Noir
Roger Seiter (argumento, a partir do romance de Maj Sjöwall & Per Wahlöö)
Martin Viot (desenho)
Casterman (França, 21 de Setembro de 2011)
185 x 260 mm, 88 p., cor, brochado com badanas
18,00 €

Resumo
Estocolmo, 1967. Um massacre num autocarro, em que foram mortos o condutor e todos os seus passageiros, leva a polícia sueca a investigar o caso, até porque uma das vítimas era um dos seus inspectores…

Desenvolvimento
Esta banda desenhada, na sequência do que sucede com esta colecção, é uma adaptação do romance policial homónimo escrito nos anos 60 pelo casal Maj Sjöwall & Per Wahlöö. Quarto tomo dos dez protagonizados pelo inspector Martin Beck e a sua equipa, entre 1965 e 1975, nele encontramos a polícia sueca empenhada em prender o responsável pelo sucedido.
Se aparentemente nada justifica o acto tresloucado, nada foi roubado nem há qualquer ligação entre as vítimas, a presença de um detective no veículo causa estranheza, até porque ele deveria estar de férias embora a mulher afirme que raramente vinha a casa por se encontrar cheio de trabalho. Aos poucos, de forma lenta mas decidida, minuciosa e obstinada, com alguns avanços e muitos recuos, Beck vai desfiando a meada, com alguns resultados surpreendentes.
O traço de Martin Riot, algo rígido, demasiado preso a modelos (especialmente para os rostos), um pouco naif, revela-se pouco dinâmico e quase desprovido de movimento, o que acaba por o transformar no complemento adequado para o ritmo lento da narrativa, que acompanha os pequenos avanços e as contrariedades do dia-a-dia e é reflexo de uma época – há 40 anos – sem computadores, telemóveis e outros artefactos hoje essenciais no nosso quotidiano.
A par disso, face à imensa diversidade de séries televisivas, com a chancela CSI à cabeça, resulta estranha a lentidão de processos, a dificuldade em conseguir cópias, o estado primitivo da ciência forense na época, que perpassa por todo o romance (desenhado).
O que não retira interesse à história, bem pensada e desenvolvida, dentro da lógica do romance policial tradicional, com o leitor a acompanhar de perto os passos dos investigadores, descobrindo, ao mesmo tempo que eles, as pistas que vão conduzir a um final bem diverso daquele que o início parecia apontar.
O que faz da versão em BD de “Le policier qui rit”, uma obra especialmente atractiva para os apreciadores do género, mas com motivos suficientes para agradar a outros leitores, até pelo retrato que traça da sociedade sueca de então.

A reter
- O ritmo lento mas intenso do relato.
- O retrato da sociedade sueca dos anos 60.

Pré-publicação
- As primeiras páginas do álbum.

28/09/2011

Leituras Novas

Setembro de 2011
Saída de Emergência
David Soares (argumento), Jorge Coelho, João Maio Pinto, André Coelho, Daniel da Silva e Richard Câmara (desenho)
É de Noite Que Faço as Perguntas é uma história que parte da cronologia e dos factos históricos pertencentes ao período da primeira república portuguesa para se apresentar como uma poderosa observação sobre a vida, a política e o modo como ambas se influenciam.
Mergulhado num regime autocrático, de natureza indefinida, em meados do século XX, um pai tenta recuperar o filho, caído no seio do partido, escrevendo-lhe as memórias que experimentou nos anos da primeira república: tempo em que o ideal de cidadania era a participação activa e não o recolhimento sob o jugo ditatorial.
Escrito por David Soares e desenhado por Jorge Coelho, João Maio Pinto, André Coelho, Daniel Silvestre da Silva e Richard Câmara, É de Noite Que Faço as Perguntas é, em simultâneo, um poético fresco de época, um ensaio filosófico pungente e uma banda desenhada ímpar.

ASA
LUCKY LUKE – NA PISTA DOS DALTON
Goscinny (argumento) e Morris (desenho)
Uma vez mais os Dalton fugiram da prisão e, mais uma vez, Lucky Luke é obrigado a persegui-los.
Até aqui nada de novo. Só que desta vez o cowboy vai contar com a preciosa “ajuda” de um cão polícia particularmente idiota – Rantanplan. Mas quem não vai suportar as parvoíces deste novo ajudante é o cavalo de Lucky Luke, o inteligente Jolly Jumper, o que vai proporcionar hilariantes diálogos entre estes dois animais!

YU-GI-OH! 7 – “MONSTER WORLD”
Kasuki Takahashi (argumento e desenho)
Este é o último volume do 1º ciclo.
Quando Yugi e os seus amigos entraram numa aventura no RPG “monster world”, não perceberam quanto tempo ia demorar – talvez até o resto das suas vidas! Ryo Bakura, o mestre do jogo, quer usar o poder do anel do milénio para trancar, para sempre, as almas de Yugi, Jonouchi, Anzu e Honda dentro das miniaturas de “monster world”. Agora, com dados de 10 faces na mão, Yugi e o Yugi negro têm de se bater ao longo da aventura comandada por Bakura e derrotar o mestre negro Zorc... Ou morrer a tentar fazê-lo!

ASTÉRIX - TUDO SOBRE PANORAMIX
Na aldeia de Astérix, povoada de crianças crescidas que só pensam na pândega, em encher a barriga e em zaragatas, era necessária uma figura paternal, alguém cuja sapiência a comunidade reconhecesse para evitar que esta se afundasse numa alegre, mas verdadeira, anarquia.
Este papel cabe muito naturalmente a Panoramix, o venerável druida da “aldeia dos loucos”, detentor da sabedoria e, acima de tudo, do segredo da poção mágica que confere uma força sobre-humana.
Personagem essencial, salva os Irredutíveis Gauleses de uma série de situações complicadas, enquanto as suas numerosas poções permitem aos autores de Astérix as mais loucas invenções ao nível do argumento e dos desenhos. Não há dúvida: a tradição druídica encontra em Panoramix o seu mais ilustre e brilhante representante!

ASTÉRIX - TUDO SOBRE OS ROMANOS I
Estes romanos são loucos! Tão célebre como o refrão de uma canção popular, esta afirmação proferida em todos os álbuns exprime na perfeição a triste sorte dos legionários de Júlio César nas Aventuras de Astérix.
Infelizes protagonistas de uma História algo singular, suportam repetidos ataques de invulneráveis gauleses, os quais ridicularizam com valentes tabefes a lendária grandeza de Roma.
Qui bene amat, bene castigat, declararia Três Pernas. Quem bem ama, bem castiga, e Obélix é o primeiro a ficar desesperado quando as guarnições escasseiam. Porque, no fundo, em Astérix, nada seria mais louco do que um mundo sem Romanos, por Tutatis!

ASTÉRIX – TUDO SOBRE PEPE
Pepe, o rapazinho ibero, é irresistível. Corajoso e cativante, tem alma de Irredutível. No entanto, com ele, a vida na Aldeia rapidamente se torna sufocante, no sentido literal do termo!
Tudo isto por causa da sua técnica (imparável!) para fazer com que cedam a todos os seus caprichos: retém a respiração até ficar vermelho como um tomate! Primeira criança a ter um papel principal nas Aventuras de Astérix, Pepe deixa marcas. Não tendo medo de ninguém, nem sequer do próprio Júlio César, exibe com salero o espírito de resistência de Astérix perante o invasor romano. Quando o entrega aos bons cuidados de Obélix, Matasétix não está longe da verdade ao dizer-lhe: “Esta criança é sagrada.” Mas isto foi antes deste miúdo traquina e voluntarioso lhe fazer saltar a tampa… ¡Olé!

JÚLIA & ROEM
Enki Bilal (argumento e desenho)
“Há lugares assim, onde a terra e o céu se falam; Sei mesmo, ouso dizê-lo, em que língua falam. As nuvens e o solo trocam as suas matérias, misturam as suas partículas, abrem e reciclam os seus fragmentos de memória. As palavras chovem, invisíveis, formam frases, jogam com os destinos… Este local é um micro-clima que se exprime em Shakespeare… Aqui, céu e terra falam Shakespeare, sei-o porque sou louco.” H. G. Lawrence
Após uma catástrofe climática, num local desconhecido, dois grupos de sobreviventes encontram-se. Um drama de amor acontece…

DRAGON BALL #12 - PICCOLO, O GRANDE REI DO MAL
Akira Toriyama (argumento e desenho)
É o fim de mais um Torneio de Artes Marciais (o Tenka’ Ichi Budokai) mas a festa que assinalaria a final não vai ocorrer. Outrora vencido pelo Tartaruga Genial, Piccolo surge do passado.
Quando Krillin é morto por um monstro com forma de lagarto, Goku vai à procura do culpado e depara-se com o mais terrível inimigo que enfrentou até agora: o malvado Piccolo Daimaoh!
Depois de se ter libertado de séculos de prisão, Piccolo envia grupos de monstros com a missão de encontrar as Bolas de Dragão e destruir quaisquer lutadores de artes marciais que possam opor-se-lhe. Com a sua nuvem voadora destruída, Goku encontra-se perdido no meio da selva onde conhece um improvável novo aliado. Entretanto, Kame-Sen’nin prepara um plano de último recurso para derrotar Piccolo... mas com que custo?

DILBERT - LIBERDADE É SÓ MAIS UMA PALAVRA PARA AS PESSOAS DESCOBRIREM QUE ÉS INCOMPETENTE
Scott Adams (argumento e desenho)
Em Liberdade é só mais uma palavra para as pessoas descobrirem que és incompetente, os fãs encontram mais uma hilariante colecção de tiras do Dilbert, que são tudo menos inúteis. Dilbert está de volta com estratégias de escritório, burocracias, o caos das novas tecnologias e, obviamente, a sua louca equipa de colegas.

TINTIN - CARVÃO NO PORÃO
Hergé (argumento e desenho)
Tintin encontra-se por acaso com o general Alcazar, e descobre que ele está envolvido com um traficante de armas. Mais tarde, fica a saber que o emir do Khemed foi deposto graças aos aviões vendidos por Alcazar. Tintin decide então partir com Milu e o capitão Haddock para o Médio Oriente com o intuito de investigar toda essa história. Mas o barco em que viajam é atacado por uma esquadrilha de aviões.

TINTIN NO TIBETE
Hergé (argumento e desenho)
Em férias numa estação alpina, Tintin lê num jornal que um avião caiu no Nepal. Nessa noite, Tintin sonha com Tchang, um grande amigo, que pedia socorro. Logo depois, descobre que naquele avião que se dirigia à Europa se encontrava o jovem chinês Tchang.
Tintin, convencido pelo seu sonho que o amigo sobreviveu ao acidente aéreo, parte à sua procura, acompanhado pelo Capitão Haddock.

TINTIN – AS JÓIAS DE CASTAFIORE
Hergé (argumento e desenho)
No começo de As jóias de Castafiore, o capitão Haddock vai fazer uma caminhada e quando regressa ao castelo, recebe uma notícia calamitosa: a célebre Castafiore vem passar uma temporada ao castelo. Como se essa catástrofe não bastasse, o capitão tropeça na escada e torce o pé. Resultado: quinze dias de cadeira de rodas, tendo de aguentar os dotes vocais da diva, as escalas do seu pianista e a agitação permanente que a cantora traz a Moulinsart. Com ela vieram também as suas valiosíssimas jóias, que teme serem alvo dos ladrões. Porque será que coisas estranhas começam a acontecer no castelo?

Booksmile
Scott Pilgrim #4 - Agora é a Sério
Bryan Lee O'Malley
É Verão, mas quem é que consegue relaxar? Sejam de novo bem-vindos ao pesadelo em que a patética vida de Scott Pilgrim se tornou. A sua relação com Ramona Flowers está melhor do que nunca, mas ele ainda tem problemas com outras raparigas e com os sete ex -namorados maléfi cos de Ramona que continuam a querer vê -lo morto. Mas o pior de tudo é que ela quer que ele vá trabalhar!
Scott Pilgrim, vol. 4: Agora com mais pontapés, murros, rock & roll, subespaço, semininjas, pontos de experiência, espadas de samurais e ridículas tentativas para encontrar um emprego decente!

(resumos da responsabilidade das respectivas editoras)

27/09/2011

Sergio Bonelli (1932-2011)

Sergio Bonelli, editor e argumentista de banda desenhada faleceu ontem aos 78 anos, após uma semana de hospitalização, na sequência de alguns problemas de saúde que o começaram a apoquentar em Agosto último.
Filho de Giovanni Luigi Bonelli e Tea Bonelli, natural de Milão, onde nasceu a 2 de Dezembro de 1932, concluídos os estudos, aos 25 anos, assumiu a direcção da editora criada pelos seus progenitores. Um ano depois, dava início ao labor, em paralelo, como editor conhecedor e apaixonado e argumentista culto e polifacetado, que o distinguiu ao longo de toda a vida. “Un Ragazzo nel Far West”, escrito para a arte de Franco Bignotti, foi a primeira de muitas histórias saídas do seu punho,
 de onde nasceram também “Zagor” (em 1961), um western diferente com pontos de contacto com Tarzan, ou “Mister NO” (1975), um ex-piloto norte-americano auto-exilado na América do Sul, em especial no Brasil.
Os argumentos dessa época foram assinados com o pseudónimo de Guido Nolitta, para não ser confundido como seu pai, o criador de Tex Willer, o mais antigo western da BD ainda em publicação, para quem também escreveu algumas histórias.
Assente em edições baratas, a preto e branco, com heróis de características populares a quem o leitor facilmente aderia, protagonistas de géneros como o western, o fantástico ou o policial, em histórias que, na senda dos grandes romances de aventura, muitas vezes tinham um fundo de realidade, desenvolveu um autêntico império editorial. Que, ainda hoje, só em Itália, vende anualmente mais de 20 milhões de exemplares de títulos como Tex, Zagor, Mágico Vento, Júlia Kendall (todas disponíveis mensalmente nos quiosques portugueses através das edições brasileiras da Mythos), Dylan Dog, Martin Mystère ou Nick Raider.

E que soube adaptar às mudanças que o tempo foi impondo, sem trair as suas convicções nem as características essenciais de cada personagem, respeitando os artistas e dando-lhes liberdade criativa. O que permitiu que os heróis que edita continuem nas bancas, tendo à cabeça o “veterano” Tex Willer, a (sólida) base do seu império aos quadradinhos, cuja republicação recente, por ordem cronológica, a cores, juntamente com dois jornais italianos, prevista para 50 números, ultrapassou os 200, tendo terminado apenas porque alcançou as histórias actuais.
Ainda no que toca a Tex Willer, são incontornáveis os “Texone” ou “Tex Gigante”, histórias soltas ilustradas por alguns dos grandes nomes da BD mundial, como Victor de La Fuente, Guido Buzzelli, Jordi Bernet, Magnus ou Joe Kubert.
No comunicado em que a Sergio Bonelli Editore divulgou o seu falecimento, lê-se: “foi o principal artífice da passagem dos fumetti (BD italiana) de simples entretenimento popular a produto com dignidade cultural, criando ao longo da sua carreira de cinquenta anos uma das mais importantes editoras de BD no contexto italiano e mesmo mundial”, o que lhe valeu ser distinguido com o prestigiado “Ambrogino d'Oro”, concedido pela sua Milão natal, em 2008, por ter feito da cidade “a capital italiana dos quadradinhos”.

É mais um grande nome da BD que recolhe ao paraíso dos artistas dos quadradinhos, deixando órfãos as suas criações e os leitores que com elas viveram inesquecíveis aventuras.

Entrevista
Em Dezembro de 2008, a propósito dos 60 anos de Tex, Sergio Bonelli concedeu-me o privilégio de responder a algumas perguntas para o Jornal de Notícias, por intermédio do amigo comum, José Carlos Francisco.
Aqui fica a versão integral dessa “conversa à distância”, parcialmente publicada então no Jornal de Notícias e, na sua versão integral, no Tex Willer Blog.

Pedro Cleto - Como era Giovanni Luigi Bonelli, o seu pai?
Sergio Bonelli - Fisicamente era um homem fascinante; para uma estatura média, era muito musculoso e atlético, tanto que praticava com bons resultados desportos como a natação e o pugilismo. Aos setenta anos enfrentava com segurança e desenvoltura qualquer pista de Cervinia, Sestriére e dos Alpes italianos. De carácter alegre, era muito extrovertido e adorava entreter amigos e até pessoas recém-conhecidas com assuntos que frequentemente surpreendiam pela originalidade e pelo seu anti-conformismo.

PC - E o escritor Gianluigi Bonelli?
SB - Ao contrário de muitos colegas que encaravam o papel de "quadri-nhista" como uma profissão "de segundo plano", Gian Luigi Bonelli tinha orgulho no seu ofício de escritor de quadradinhos e incorporava-se completamente na personagem de Tex ou de qualquer outro protagonista das suas histórias. Ele não queria sentir-se vinculado a um argumento preliminar e preferia improvisar dia após dia, página após página. Ele lia muitos livros populares franceses, ingleses e americanos e não perdia um só filme que exaltasse a coragem, a força, a aventura.

PC - Alguma vez ele expressou alguma vontade em relação ao futuro de Tex depois do seu desaparecimento?
SB - Nos últimos anos ele deu-se conta que Tex tinha-se tornado uma imagem importante no mundo da BD e, por isso, tinha aceitado que outros escritores continuassem a sua obra. Depois da decisão de abandonar a personagem, que lhe foi imposta pela idade e pela doença, ele preferiu desistir de corrigir os textos dos outros: por simpatia (e amor paterno) limitou-se a intervir, com alguns conselhos, nas histórias escritas por mim.

PC - Mostrou ao seu pai a primeira história de Tex que escreveu? Ele fez muitas alterações? Foi publicada?
SB - As suas correcções foram sempre mínimas, provavelmente porque ele considerava que os nossos "estilos" eram muito diferentes e que, por isso, o problema seria muito difícil de resolver. A minha primeira história foi publicada com o título "Caçada Humana" nos números 183 a 185 da série italiana (n°s 68 e 69 da série brasileira da Ed. Vecchi, em 1976) e suscitou reacções opostas: uma parte dos leitores gostou e outra achou que estava muito distante dos esquemas narrativos de seu primeiro autor.

PC - Tex continua a conquistar novas gerações da mesma forma que o fez até aqui?
SB - Não, de forma nenhuma. As novas gerações não gostam do género western. Tex continua a ser a BD mais vendida na Itália mas, mensalmente, perde uma certa quantidade de leitores.

PC - Tex está praticamente inalterado desde a sua criação. Por razões comerciais ou artísticas? Ou simplesmente por razões sentimentais?
SB - Infelizmente não é verdade que Tex permaneceu inalterado. Apesar do esforço de imitar o seu criador, todos os novos argumentistas involuntariamente trazem algumas diferenças que os leitores mais atentos não deixam de apontar. O mundo dos quadradinhos pode abrigar personagens de todo tipo: o leitor pode facilmente encontrar heróis mais "modernos" sem que se deva desnaturar um "herói" tradicional que agrada a outros leitores assim como é.

PC - Na sua opinião, os tempos actuais não pedem um Tex mais "politicamente correcto"?
SB - Ao contrário, o rigoroso "politicamente correcto" exigido por alguns acabaria por incomodar outros. É difícil contentar todos: por isso busca-se uma via de meio, como desde sempre exige o ofício de editor de banda desenhada.

PC - Até quando poderá Tex resistir aos tempos actuais e à tecno-logia?
SB - Infelizmente para nós (mas como é justo e inevitável), a BD está destinada a dar lugar rapidamente a outros divertimentos mais fáceis e cativantes. Tex ainda hoje é o campeão dos quiosques mas (como já dissemos) é completamente ignorado pelas novas gerações: pode ser que daqui a 5 ou 6 anos não tenha leitores em número suficiente para sustentar as pesadas despesas.

PC - Qual a melhor história de Tex de sempre?
SB - A opinião do editor vale tanto quanto a dos outros leitores: cada um de nós tem a sua história preferida.

PC - Milão, a sua cidade, concedeu-lhe o prestigioso prémio "Ambrogino d'Oro". O que sentiu?
SB - O "Ambrogino d'Oro" que me foi conferido no mês passado tem uma história antiga e uma tradição local que levaria muito tempo para explicar a um estrangeiro. Digamos que interpretei como um interessante reconhecimento público à profissão de editor, argumentista ou desenhador de quadradinhos.

26/09/2011

Le Masque du Fantôme

#2 La Cité des masques
Fabien Grolleau (argumento e desenho)
Delcourt (França, 31 de Agosto de 2011)
127 x 180 mm, 192 p., pb, brochada com sobrecapa
9,40 €

Resumo
Um autor de BD pouco conhecido é contratado para produzir uma banda desenhada que ajude a trazer à razão o maior dos fãs de “The Ghost of the Everglades”, um dos grandes sucessos dos quadradinhos clássicos dos últimos 60 anos.
Arrastado por este numa fantasia imaginária pelo mundo real, encontram-se a braços com sem-abrigo anarquistas e um presidente de câmara pouco honesto, em pleno carnaval.

Desenvolvimento
Se o primeiro tomo terminava num momento em que fantasia e realidade se cruzavam, neste ambas se confundem. Isso transforma o relato num quase delírio atravessado por flashbacks que ajudam a compreender as razões que levaram o jovem fã do Fântome a transformar-se gradualmente no seu herói de papel, em paralelo com o percurso de Leon Moore, o verdadeiro autor das aventuras de “The Ghost of the Everglades”, numa história que tem início durante a Segunda Guerra Mundial,o que serve de pretexto para a evocação/homenagem às criações aos quadradinhos desses tempos áureos da BD.
No início deste tomo, o velho que pensa ser o Fantôme, e Sacha, o autor de BD que o auxilia, perdem-se nos arrabaldes da cidade, sendo recolhidos por sem abrigo que escolhem o “herói” como seu rei para participar no carnaval. Um carnaval que se vai revelar estranhamente perigoso quando nele se defrontam anarquistas e os seguidores do corrupto presidente da Câmara, para gáudio do Fantôme, cada vez mais mergulhado nas ilusões que o arrastam para mundos (pretensamente) mágicos, enfeitiçados, perigosos e fascinantes.
Entre a nostalgia, o piscar de olho aos fãs de comics, fantasia à rédea solta e um misto de crueldade e humor, Grolleau, apesar de um ou outro salto narrativo, constrói um relato que merece ser lido e lança a expectativa sobre as suas futuras criações.

A reter
- Mais uma vez, o sabor nostálgico e a homenagem sentida aos criadores dos grandes heróis clássicos dos quadradinhos.
- O período curto (quatro meses) que mediou entre a publicação dos dois tomos que constituem este relato, permitindo ao leitor completar a sua leitura rapidamente. Que exemplo para as editoras nacionais!

Menos conseguido
- Uma ou outra falha na narração, que quebra o ritmo e obriga o leitor a reposicionar-se no relato.

25/09/2011

Selos & Quadradinhos (64)

Stamps & Comics / Timbres & BD (64)

Tema/subject/sujet: 100º aniversário da primeira BD publicada na Noruega - The Katzenjammer Kids/100th anniversary of the first comic strip to be published in Norway — The Katzenjammer Kids/ 100e anniversaire de la première bande dessinée publiée en Norvège - The Katzenjammer Kids
País/country/pays: Noruega/Norway/Norvége
Autores: Jason, Christopher Nielsen, Frode Överli, Lise Myhre
Data de Emissão/Date of issue/date d'émission: 2011

24/09/2011

As Figuras do Pedro (VIII)

Liga da Justiça

Figuras: Superman, Batman, Wonder Woman, Flash, Hawk Woman, Gorila Grodd
Ano : 2007
Altura : 6/7 cm
Material: PVC
Proveniência: brindes Phoskitos

23/09/2011

Manuel Caldas

“Seduzido pela BD”
Chama-se Manuel Caldas, é português, mora na Póvoa de Varzim e dedica-se a reeditar bandas desenhadas clássicas norte-americanas como o Príncipe Valente, Lance, Krazy Kat ou, em breve, Cisco Kid, restauradas com paixão e minúcia.
A paixão pela BD nasceu “antes dos seis anos quando guardava o suplemento “Pim-Pam-Pum” de “O Século”. Ninguém me chamou a atenção para a BD, foi ela que me seduziu”, afirma.
Mais tarde, aos 11 anos o pai mostrou-lhe “o Príncipe Valente, de Harold Foster, publicado no Primeiro de Janeiro, que tinha uns desenhos muito bem feitos”. “Fulminado”, com o tempo constatou “que a história era também magistral e que havia na série uma unidade sublime” pelo que não descansou enquanto não a conheceu toda.
Nasceria aí a vontade de editar essa saga medieval – analisada no seu estudo “Foster e Val” - sonho que começou a concretizar em 2005, sob o selo “Livros de Papel”, entretanto transformado em “Libri Impressi”. E “quando o “Príncipe Valente” se revelou um êxito de vendas”, fez as contas e verificou “que se fizesse dois volumes por ano ganhava mais do que na escola onde era um simples (e insignificante) auxiliar de acção educativa. Assim, como não cair na tentação de deixar um emprego onde era impossível qualquer realização pessoal para fazer exclusivamente o que mais gostava?”
Aos primeiros volumes do Príncipe Valente, sucederam-se outros títulos: “Ferd’nand”, que os leitores do Comércio do Porto seguiram durante anos, “Hagar, o horrendo”, outro clássico do humor, ou “Lance”, um western humanístico. Mais recentemente, "Os Meninos Kin-Der", “Krazy Kat”, “Dot & Dash”, “O Corvo”, “O Livro do Buraco” ou “Ele foi mau para ela”, uma novela gráfica muda de 1930. Não tanto por opção, mas devido a desentendimentos com a pessoa com quem editava o “Príncipe Valente”. Por isso, a “vida como editor tornou-se mais difícil, pois depressa constatei que nenhuma outra banda desenhada das que me interessam vendia como a de Foster”. No entanto, tem “sobrevivido e apesar de a nível económico ser mais tranquilo voltar para a escola”, onde se encontra com “licença sem vencimento” nunca se arrependeu da opção que assumiu.
A par das edições nacionais, Manuel Caldas tem editado também para o mercado espanhol. O salto foi dado “quando alguns espanhóis viram o “Príncipe Valente” em português e começaram a pedir uma edição na língua deles” Entusiasmado, decidiu avançar e as coisas acabaram por “se tornar mais fáceis quando fui contactado pela principal distribuidora espanhola de livros e revistas de BD”. Agora, afirma, “se calhar, sou o único editor português que faz edições exclusivamente para o mercado espanhol”.
Infelizmente, Espanha, onde “a venda pelo correio, através do seu site, assume proporções significativas, ao contrário de Portugal”, “não é um mercado tão grande como se pensa”, mas tem contribuído para garantir a viabilidade económica das suas edições.
Edições cuja qualidade e fidelidade aos originais tem sido amplamente elogiada, pelo que não surpreende que, só este ano, tenha colaborado com a editora norte-americana Classic Comics Press na preparação do primeiro volume das tiras diárias de “Cisco Kid” - que vai lançar em breve em edição própria no mercado espanhol –, vendido a sua versão restaurada de “Lance“ a “editores da Alemanha e da Noruega, estando já nas livrarias a edição alemã”, estando de pé a hipótese de a vender para os Estados Unidos, e esteja a preparar três volumes do Príncipe Valente encomendados por um editor do Uruguai!
O que distingue as edições de Manuel Caldas de outras similares, é a paixão, a paciência, o trabalho artesanal, as muitas horas gastas no restauro de cada página – 20 ou 30 horas, nalguns casos - , na obsessão de “devolver às imagens a pureza original, de melhorar tudo o que sou capaz de melhorar, mesmo pormenores que só se verão com lupa”. Mas, garante, “já decidi que depois de concluir o restauro do “Lance” não mais voltarei a fazer restauros tão profundos. Mas também por vezes me interrogo se conseguirei cumprir tal decisão…”
Para conseguir os seus objectivos, na impossibilidade de utilizar pranchas originais, geralmente inexistentes, recorre às páginas de jornais da época, “umas compradas pela internet, outras emprestadas por coleccionadores estrangeiros, outras obtidas digitalizadas”.
Depois, trabalha obsessivamente, limpa os defeitos de impressão, remove as cores se a edição for a preto e branco ou restaura-as quando são coloridas, utiliza o melhor de cada vinheta – chegando a utilizar quatro fontes diferentes para atingir o "traço ideal", aquele “que se vê, com precisão e sem quebras” ou seja, mostrar cada desenho tal como o autor o fez.
Com a pena de se ver obrigado “a pensar mais (ou exclusivamente) no mercado espanhol”, revela que por cumprir, tem ainda “muitos sonhos, até porque outros vão nascendo”. E sabendo que morrerá “sem os realizar todos”, não se queixa pois sente que vai passar “o resto dos dias a realizar alguns”.















(Versão revista e aumentada do texto publicado no Jornal de Notícias de 13 de Setembro de 2011)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...