Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

31/10/2011

Entrevista com Cyril Pedrosa

“Tentei ser sincero”
Editado há poucas semanas pela Dupuis, Portugal tem sido (justa e) unanimemente considerado um dos grandes romances desenhados de 2011. Eis o registo de uma pequena conversa à distância com o seu autor, Cyril Pedrosa, para conhecer um pouco melhor a génese de um livro em que fala das suas origens portuguesas.

As Leituras do Pedro - Porquê um livro sobre Portugal?
Cyril Pedrosa – Os meus avós eram portugueses e, por isso, a história da minha família está muito impregnada com os nossos laços com Portugal. Havia muitas coisas que eu sentia em relação à nossa história familiar (a dificuldade de falar de Portugal entre nós, a minha própria dificuldade em fazer qualquer coisa sobre as minhas origens portuguesas) mas que eu não conseguia explicar.
E depois, há alguns anos, fui convidado do Festival de Banda Desenhada da Amadora e para mim foi um grande choque, foi muito emotivo. Senti-me como se estivesse “em casa”, apesar de não conhecer nada desse país. Foi isso que desencadeou a vontade de escrever esta história, para tentar compreender porque me sentia ligado a um país e a uma língua de que conhecia tão pouco.

ALP – Então esta história é autobiográfica?
CP – O ponto de partida é autobiográfico. Simon, o protagonista, é bastante parecido comigo e, como eu, ele “redescobre” os seus laços com Portugal durante um festival de banda desenhada. Mas depois, ao contar a história, inventei muitas coisas. Por isso, é uma ficção, mas com muitos elementos pessoais.

ALP – Que história conta neste livro?
CP – É a história de Simon, um francês neto de emigrantes portugueses, que faz banda desenhada mas que está num momento mau da sua vida, um pouco deprimido. Uma viagem profissional a Lisboa fá-lo descobrir a que ponto ama Portugal, as pessoas com quem se cruza na rua, como se fossem a sua família, como se estivesse em “sua casa”. Isso perturba-o e ele põe-se a tentar compreender porque perdeu os laços com aquele país. Vai então aproximar-se da sua família em França, com quem mantinha uma relação distante, participar numa grande festa familiar onde vai rever o seu avô sob um olhar diferente, compreender um pouco melhor porque é que o seu pai não foi capaz de lhe transmitir essa ligação com Portugal. Depois, na parte final do livro, regressa a Portugal, para tentar descobrir a história do seu avô.

ALP – De que Portugal fala neste livro ? Porquê?
CP – Falo de um Portugal imaginário, quer dizer, aquele que eu conheço e que não é o verdadeiro Portugal. É um Portugal “emocional”, o das sensações e da afeição que tenho por esse país, por esse povo, por essa língua. Sei perfeitamente que não conheço a realidade do país, para isso teria que viver nele. Mas conheço a beleza da sua língua, a generosidade dos portugueses e também conheço bastante bem a região de onde são originários os meus avós, uma pequena aldeia perto da Figueira da Foz (chamada Marinha da Costa, onde decorre a última parte do livro).
Tentei ser sincero, não utilizar clichés, mesmo sabendo que tinha um conhecimento superficial de Portugal.

ALP – Conseguiu responder às suas questões relativas a Portugal?
CP – Não sei se consegui responder às minhas questões, mas sinto-me aliviado em relação a algumas coisas. Penso que para mim o importante não era forçosamente responder a todas as questões, mas sim colocar essas questões, dizer a mim próprio e aos que me são próximos, “estão a ver, esta história, a nossa história, é uma história bonita, devemos interessar-nos por ela”.

ALP – Como reagiram os seus familiares ao livro?
CP – Penso que se sentiram muito tocados e emocionados, mas não me disseram tudo o que pensavam :)

ALP – Esteve em Portugal para fazer esboços?
CP – Sim, passei três meses em Portugal, para escrever e desenhar, fazer esboços, tirar fotografias, viver no local, ter o prazer de conhecer melhor os meus primos que moram aí, aprender a falar um pouco de português… Foram três meses formidáveis!

ALP – Portugal vai ser editado em… Portugal?
CP – Gostava muito que fosse! O meu editor francês disse-me que tinha sido contactado por uma editora portuguesa. Espero sinceramente que isso se concretize.

30/10/2011

Prémios Nacionais de BD 2011

Melhor Álbum Português
O Amor Infinito que te Tenho - Paulo Monteiro - Polvo

Melhor Argumento de Autor Português
Victor Mesquita - Eternus 9 A Cidade dos Espelhos - Gradiva Publicações

Melhor Desenho de Autor Português
Ricardo Cabral - Newborn 10 Dias no Kosovo - Edições ASA
e
Prémio da Juventude
Newborn 10 Dias no Kosovo - Ricardo Cabral - Edições ASA

Melhor Álbum de Autor Português em Língua Estrangeira
Agencia de Viajes Leming - José Carlos Fernandes - Astiberri

Melhor Álbum Estrangeiro (editado em Portugal)
Blacksad - O Inferno, o Silêncio - Díaz Canales e Guarnido - Edições ASA


Melhor Álbum de Tiras Humorísticas
Happy Sex - ZEP - Edições ASA




Melhor Ilustração de Livro Infantil (Autor Português)
Ana Afonso - O Lobo Prateado - Editorial Caminho



Melhor Ilustração Estrangeira de Livro Infantil
Marjorie Priceman - Paris na Primavera com Picasso - Gradiva Publicações

Clássicos 9ª Arte
Astro Boy #3 - Osamu Tezuka - Edições ASA

Fanzine
Venham + 5 nº8 - Paulo Monteiro (coordenador) - CM Beja/Bedeteca de Beja


TROFÉU DE HONRA
Zé Manel
Pseudónimo de José Manuel Domingues Alves Mendes (Lisboa, Janeiro de 1944) cartoonista, ilustrador, e criador de banda desenhada.
A revista O Século Ilustrado mostrou os seus primeiros desenhos aos seis anos. Em 1959, publicou as primeiras anedotas em Os Ridículos e, em 1961, estreou-se profissionalmente como ilustrador de cartoons na Parada da Paródia.
Tem o curso de desenhador-gravador-litógrafo na Escola de Artes Decorativas António Arroio.
Entre as muitas publicações para as quais trabalhou contam-se O Brincalhão, A Parada da Paródia, o Jornal do Exército, A Chucha, a Rádio & Televisão, O Emigrante, Bomba H, Fungagá da Bicharada, o fanzine Tertúlia BDzine, a obra colectiva Novas 'fitas' de Juca & Zeca, bem como o álbum infantil Os Burros, as Flores e o Sol, que foi editado no Japão.
É filho do criador de banda desenhada António Alves Mendes (Méco).

29/10/2011

AmadoraBD 2011 (III)

29 e 30 de Outubro
1 de Novembro

A CARICATURA EM FESTA
Sábado, 29 de Outubro
13h30 – 14h30
Estação do Rossio - Lisboa
Um grupo de caricaturistas está a sua espera na Estação do Rossio, em Lisboa. Apareça, peça a sua caricatura e entre gratuitamente no Festival.
Apoio: Refer e CP

15h – 17h
Recreios da Amadora
Festa da Caricatura

17h30
Casa Roque Gameiro
Inauguração da Exposição
Direitos Humanos - Exposição
Internacional de Cartoon
Esta exposição assinala os 50 anos da Amnistia Internacional no mundo
e os 30 anos em Portugal.
Organização: FECO Portugal - Associação de Cartoonistas e Amnistia Internacional.
Apoio: AmadoraBD

Domingo, 30 de Outubro
11h – 12h30
Fórum Luís de Camões
Festa da Caricatura

VISITA GUIADA
Domingo, 30 de Outubro
17h
Visita guiada ao Amadora BD com Pedro Mota

AUDITÓRIO
ENCONTROS, LANÇAMENTOS E APRESENTAÇÕES EDITORIAIS
Sábado, 29 de Outubro
17h
Too Much Coffee Man
com Shannon Weeler e Pedro Mota

Domingo, 30 de Outubro
15 h
O Associativismo Artístico, Mesa Redonda
Organização: FECO Portugal e Amadora BD

Terça-feira, 1 de Novembro
15 h
Apresentação de “Punk Redux” (Qual Albatroz)
com João Mascarenhas (desenho e argumento)

16 h
Lançamento de “As Extraordinárias Aventuras de Dog Mendonça e Pizza Boy - vol 2 - Apocalipse” (Tinta-da-China Edições)
com Filipe Melo (argumento), Juan Cavia (desenho) e Santiago Villa (cor)

17 h
Apresentação de “Voyager #1” (R’lyeh Dreams)
Com Diogo Campos (argumento), Diogo Carvalho (argumento e desenho), Luís Belerique (argumento e arte), Luís Maiorgas (arte), Nelson Nunes AKA Cocas (arte), phermad (arte), Ricardo Reis (argumento), Rui Ramos (argumento, arte e coordenação do projecto) e Salvador Pombo (arte)

18h
Encontro de Autores Lusófonos

AUTÓGRAFOS
Sábado, 29 de Outubro
15h
André Caetano
André Mealha
Bruno Ribeiro
David Soares
Eric Maltaite
Filipe Andrade
Filipe Pina
Hugo Jesus
Hugo Teixeira
Jeffrey Ferreira
Nelson Martins
Peggy Adam
Shannon Wheeler
Spacca
Victor Mesquita
Vidazinha

16h
André Caetano
André Mealha
Bruno Ribeiro
David Soares
Eric Maltaite
Filipe Andrade
Filipe Pina
Geral & Derradé
Hugo Jesus
Hugo Teixeira
Jeffrey Ferreira
Paulo Monteiro
Peggy Adam
Rui Lacas
Shannon Wheeler
Spacca
Vidazinha

17h
André Mealha
Bruno Ribeiro
David Soares
Eric Maltaite
Filipe Andrade
Filipe Pina
Geral & Derradé
Hugo Teixeira
Jeffrey Ferreira
Nelson Martins
Paulo Monteiro
Peggy Adam
Rui Lacas
Spacca
Vidazinha

Domingo, 30 de Outubro
15h
André Caetano
Eric Maltaite
Hugo Teixeira
João Martins
João Mascarenhas
José Ruy
Luiz Gê
Maria João Worm
Nelson Martins
Spacca
Victor Mesquita
Xaquin Marin

16h
André Caetano
Carlos Pedro
Eric Maltaite
Fernando Dordio
Geral & Derradé
GEvan…
Gogue
Hugo Teixeira
João Martins
Luiz Gê
Mário Freitas
Nelson Martins
Nuno Duarte
Osvaldo Medina
Peggy Adam
Rui Lacas
Shannon Wheeler

17h
Carlos Pedro
David Soares
Eric Maltaite
Fernando Dordio
Geral & Derradé
GEvan…
Gogue
Hugo Teixeira
João Mascarenhas
Mário Freitas
Nelson Martins
Nuno Duarte
Osvaldo Medina
Peggy Adam
Rui Lacas
Shannon Wheeler
Spacca
Xaquin Marin

18h
Carlos Pedro
David Soares
Fernando Dordio
Geral & Derradé
GEvan…
Gogue
Hugo Teixeira
José Ruy
Luiz Gê
Mário Freitas
Nuno Duarte
Osvaldo Medina
Peggy Adam
Shannon Wheeler
Spacca
Victor Mesquita
Xaquin Marin

Terça-Feira - 1 de Novembro
15h
Diogo Campos
Diogo Carvalho
Luís Belerique
Luís Maiorgas
Nelson Nunes AKA Cocas
phermad
Ricardo Reis
Rui Ramos
Salvador Pombo

16h
AltinoNobre
Diogo Campos
Diogo Carvalho
João Mascarenhas
Lindomar de Sousa
Luís Belerique
Luís Maiorgas
Luiz Gê
Manuel Tambula
Nelson Nunes AKA Cocas
Olímpio de Sousa
Pedro Leitão
phermad
Ricardo Reis
Rui Ramos
Salvador Pombo

17h
Altino Nobre
Filipe Melo
João Mascarenhas
Juan Cavia
Lindomar de Sousa
Luiz Gê
Manuel Tambula
Olímpio de Sousa
Pedro Leitão
Santiago Villa

18h
Altino Nobre
Filipe Melo
Juan Cavia
Lindomar de Sousa
Luiz Gê
Manuel Tambula
Olímpio de Sousa
Santiago Villa

ESPECTÁCULO
Sábado, 29 de Outubro
16h
Actuação do Grupo de Percussão Bombrando
O grupo apresenta ritmos tradicionais portugueses e africanos, passando por estilos como o reggae ou o rock, sempre temperados com muita energia.
O projecto, da Junta de Freguesia da Brandoa, nasceu em 2003 e é dinamizado sobretudo por jovens, com uma alegria contagiante, bem presente no ritmo da música que desenvolvem.

28/10/2011

As Extraordinárias Aventuras de Dog Mendonça e PizzaBoy II

Apocalipse
Filipe Melo (argumento)
Juan Cavia (desenho)
Santiago Villa (cor)
Martin Tejada (adaptação sequencial)
George A. Romero (prefácio)
Tinta-da-China (Portugal, 1 de Novembro de 2011)
170 x 240 mm, cor, 112 p., brochado com badanas
16,90 €

Resumo
Depois de evitarem o fim do mundo. Dog Mendonça, o lobisomem de meia-idade, PizzaBoy, agora operador de call-center, o demónio Pazuul e a gárgula falante são obrigados a juntar-se novamente, desta vez para evitar o Apocalipse…
E para além deste quarteto fantástico, numa catástrofe de proporções bíblicas, até a Virgem de Fátima faz uma perninha!

Desenvolvimento
Neste novo livro, a história começa cinco anos após os acontecimentos marcantes do primeiro volume, em belos cenários desenhados por Juan Cavia, servidos por cores mais claras e um traço bem mais definido que muito valorizam a obra, embora custe a acreditar que numa país chamado Portugal, num intervalo de tempo tão curto, Lisboa fosse tão rapidamente reconstruída…!
PizzaBoy trabalha agora num call-center, onde presta ajuda informática. A atitude enfadada, o desinteresse pela tarefa, a falta de atenção dada a quem telefona, os conselhos factuais – “tente desligar o router e reiniciar o computador” - mostram que afinal estamos no mundo real!
Quanto à trama, ela é espoletada por um padre perseguido pelo Vaticano que recorre a Dog Mendonça e à sua equipa para deterem o Apocalipse… iniciado “há quinze minutos e dez segundos”. E se a ética impede o detective de salvar “o mundo à borla”, a precipitação dos acontecimentos não lhe dará outra hipótese, levando ao reencontro dos quatro protagonistas.
Desencadeia-se então a acção, em grande estilo e em ritmo acelerado, que, entre pragas, confrontos monumentais, perseguições e a análise da previsão bíblica através de uma edição… infantil (!), vai levar os protagonistas a Fátima – onde, tal como Jacinta, Francisco e Lúcia, terão direito à respectiva aparição.
Num volume, mais uma vez recheado de referências a uma certa cultura pop, da música, do cinema, da televisão, da própria BD e até auto-citações (!), consubstanciada em zombies, monstros fofinhos, bestas do apocalipse, teorias da perseguição, conspirações religiosas e o mais que os leitores se vão divertir a descobrir, Filipe Melo cria uma obra plena de bom humor, bem escrita e cativante que o leitor não tem outro remédio do que ler num só fôlego.
Aos diálogos, escritos como poucas pessoas o fazem em Portugal – na BD, para além de Arlindo Fagundes não me ocorre mais ninguém – ritmados, vivos, credíveis, divertidos, repletos de alusões e trocadilhos, Melo e os seus companheiros acrescentam também uma planificação muito dinâmica, com múltiplas tomadas de pontos de vista e alguns efeitos bem conseguidos em termos narrativos, como a mudança de cenas mantendo os planos e dando sequência às frases, logo nas páginas iniciais, uma melhoria evidente na aplicação da cor e na iluminação das cenas, bem mais claras e legíveis, e um aprimoramento do traço ágil, caricatural e expressivo, mostrando-se Juan cavia completamente à vontade tanto com a figura humana como nos cenários - naturais ou dantescos - com os quais vão prendendo e surpreendendo o leitor, página após página.
Desta forma, este livro confirma tudo o que o primeiro já tinha mostrado e prometido, indo ainda mais além, com o refinamento da escrita, a melhoria gráfica e a melhor colorização, tendo tudo para ser mais um sucesso em Portugal (à dimensão do nosso mercado, claro) e para passar além-fronteiras, como aliás já está a acontecer com uma nova história, a ser actualmente publicada na revista norte-americana Dark Horse Presents, de que hei-de falar proximamente.
No final, com Lisboa mais uma vez destruída (o que não indicaria um daqueles estudos psicológicos de pacotilha…?), fica a inevitável ponta solta que promete uma continuação para as aventuras de Dog Mendonça e PizzaBoy.
Que, já antevejo, terão no título algo como “assombrosas” ou “espantosas” e um “III” no final…

A reter
- A escrita de Filipe Melo: incisiva, divertida, fluente.
- A significativa melhoria da iluminação, da cor, que realçam ainda mais o traço - melhorado com a prática - de Juan Cavia.
- As boas recordações que as muitas referências trazem a quem foi passando por elas.
- O dossier final com o making-of do livro.
- A mais-valia do prefácio de George A. Romero.

Lançamentos
Tal como aconteceu com o primeiro volume, também este vai ser objecto de uma mini-tournée de apresentação e lançamento, sempre com a presença de Filipe Melo, Juan Cavia e Santiago Villa, numa promoção empenhada que não justifica por si só o sucesso que a obra inicial conquistou, até porque o seu valor e potencial são inegáveis, mas ajuda a explicá-lo. Por que em Portugal, poucas vezes a BD tem sido alvo da promoção que poderia alavancá-la para lá do nicho habitual de consumidores…
Eis as datas já anunciadas:

1 de Novembro
16h – Lançamento oficial, AmadoraBD 2011 – Fórum Luís de Camões, à Brandoa
17h-19h – Sessão de autógrafos, AmadoraBD 2011
20h – Lançamento na Tertúlia de BD de Lisboa – Parque Mayer
23h – Lançamento no Shortcutz – Bicaense, Lisboa

2 de Novembro
22h – Lançamento no Shortcutz – Hardclub, Porto

3 de Novembro
18h30 – Lançamento na FNAC Chiado, Lisboa

4 de Novembro
18h00 – Lançamento na FNAC Santa Catarina, Porto
19h30 – Lançamento na Mundo Fantasma, Porto

5 de Novembro
15h – Lançamento na Bertrand, Caldas da Rainha

6 de Novembro
15h – Sessão de autógrafos, AmadoraBD 2011
16h – Lançamento “Dog na Dark Horse”, AmadoraBD2011
17h-19h – Sessão de autógrafos, AmadoraBD 2011

9 de Novembro
18h30 – Lançamento na Dr. Kartoon, Coimbra
21h – Lançamento na FNAC Coimbra

10 de Novembro
10h - Aula aberta de BD com João Lameiras, Guimarães

27/10/2011

O tesouro Tintin

Com a estreia (hoje, em Portugal) do filme de Steven Spielberg, que adapta as aventuras de Tintin, os fãs de Tintin, em especial os coleccionadores (que são muitos) aproveitarão para tirar a barriga de misérias pois os últimos anos, não tendo sido isentos de novidades nesta área, obrigavam a puxar bastante os cordões à bolsa, devido à política seguida pela Moulinsart, que detêm os direitos da personagem, apostada em produtos mais luxuosos para fazer de Tintin uma marca de eleição. Por isso, aliás, quando Nick Rodwell assumiu a direcção da Fundação Moulinsart, após casar com Fanny Remi, viúva de Hergé, uma das suas prioridades foi a não renovação ou o cancelamento das muitas licenças relacionadas com Tintin então existentes, pois o desenhador nunca colocou grandes entraves na sua concessão.Essa mesma política explica, também, porque é que a maioria dos produtos agora disponibilizados se baseia nos visuais do filme, pertencentes à Sony Pictures Releasing, e não nos desenhos originais de Hergé, pertencentes á Moulinsart. O que, segundo alguns especialistas de marketing, na perspectiva de serem realizados mais dois filmes, pode levar a que o Tintin do cinema “canibalize” o de Hergé. Ou seja, exactamente o contrário do que Moulinsart pretendia.Duma ou doutra forma, a verdade é que nunca foi possível encontrar produtos com Tintin com tanta facilidade e mesmo os fãs portugueses terão direito a uma “percentagem deste tesouro”. Desde logo, nos brindes coleccionáveis que a McDonalds começou a distribuir na Europa (Portugal incluído) na semana passada ou através da campanha que a Peugeot também trouxe até nós.
.


Antes disso, de forma surpreendente, no final do Verão a Oysho disponibilizou quatro conjuntos de baby-dolls, desenhados em parceria com a Moulinsart, o que constituiu a primeira investida de Tintin na intimidade feminina...










Outros produtos onde dificilmente se adivinhava a efígie do repórter são, por exemplo, embalagens de comida para cães da Purina, nos EUA, e os brioches Pitch, disponíveis na Bélgica, França e Inglaterra, em ambos os casos associados a “caças ao tesouro” via internet.


Mais vulgares e também acessíveis, são os copos oferecidos pela gasolineira Total, na Bélgica, ou as figuras em PVC da Plastoy.






Já em França, há duas colecções em fascículos da Hachette, uma com figuras das personagens e outra com a caravela Licorne para construir em madeira. Uma terceira, um xadrez com as personagens do filme, está em fase de teste.



Vulgares baralhos de cartas, uma versão Tintin do “Mille Bornes”, um jogo de sociedade popular em França, um jogo de tabuleiro, construções Mecanno com os veículos utilizados por Tintin e até bilhetes de raspadinhas, na Bélgica, são outros artigos ao alcance de todas as bolsas.





Como é evidente, nos tempos que correm, também não podiam faltar as adaptações em videojogos das aventuras cinematográficas de Tintin, disponibilizadas já para consolas e telemóveis.

Os dois filmes de Tintin com actores de carne e osso, protagonizados por Jean-Pierre Talbot, "O Mistério do Tosão de Ouro" e "Tintim e as Laranjas Azuis, serão relançados numa edição conjunta em Blu-Ray.
Em termos de livros, se são vários os países a disponibilizar uma edição conjunta dos álbuns em que o filme se baseia, no mercado francófono multiplicam-se as edições que, entre: o romance e o álbum do filme, livros de jogos e mais estudos em torno da obra de Hergé e do seu herói, deverão rondar o milhão de exemplares.








Já nos Estados Unidos, onde o filme só estreia em Dezembro, os álbuns de Tintin, que até à data venderam apenas 5 milhões em mais de 30 anos, regressarão às livrarias com novas capas, mais actuais e chamativas.


Em Portugal, a ASA, que no próximo mês termina a reedição integral da colecção, em formato menor e com novas traduções, anunciou o lançamento de um álbum de grande formato intitulado “A Arte das Aventuras de Tintin”, baseado no filme de Spielberg.
Filme que valeu ao herói de Hergé chegar pela primeira vez à capa da Time distribuída esta semana...
(Versão revista e aumentada do texto publicado no Jornal de Notícias de 27 de Outubro de 2011)
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...