Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

28/02/2013

Ouro da Casa










Estúdios Maurício de Sousa
Panini Comics
Brasil, Agosto de 2012
200 x 280 mm, 202 p., cor, cartonado
R$ 64,00 (capa dura)
R$ 49,90 (capa brochada)


Resumo
Os 50 anos de carreira de Maurício de Sousa – entre vários outros aspectos – foram assinalados pela trilogia “MSP 50 – Maurício de Sousa por 50 Artistas”, “MSP +50 – Maurício de Sousa por Mais50 Artistas” e “MSP Novos 50 – Maurício de Sousa por 50 Novos Artistas” na qual as suas personagens foram recriadas – gráfica e/ou tematicamente, segundo o estilo, as influências e as temáticas próprias de cada um - pelos mais talentosos criadores de qua(dra)dinhos do Brasil.
“Ouro da Casa” encerra um ciclo, dando aos elementos dos Estúdios Maurício de Sousa, que mensalmente criam centenas de novas páginas com a Mônica, Cebolinha, Cascão, Bidú, Astronauta, Horácio, Chico Bento e muitos mais, a oportunidade de apresentarem a sua leitura das personagens (com) que trabalham.

Dsenvolvimento
Como era inevitável, numa obra com tantos autores, ao abrir e folhear esta belíssima edição – de grande formato, bom papel e impressão, capa cartonada e complementada por um site que disponibiliza informação extra sobre o seu conteúdo - o que primeiro salta à vista é a diversidade gráfica – e de certa forma também temática. Diversidade que aqui rima com riqueza e com qualidade.
O que, até certo ponto não deixa de ser surpreendente se pensarmos que os setenta e cinco (!) argumentistas, desenhadores, arte-finalistas, legendadores, editores, coloristas… envolvidos neste projecto dedicam as suas vidas a seguir o estilo, o traço, a forma de narrar e o humor de Maurício de Sousa.
Passado esse primeiro impacto gráfico, o mergulho na leitura revela-se irresistível, obrigando a passar de história ou ilustração para ilustração ou história, de forma (quase) compulsiva, para descobrir o que cada um deles fez com/aos heróis de Maurício.
Dessa leitura, quase sempre divertida, algumas vezes nostálgica, aqui e ali surpreendente pela transformação operada ou pelo inesperado desfecho, ressalta o enorme respeito e carinho que cada um dos participantes tem por Maurício de Sousa e pelas suas personagens – que também são um pouco de cada um deles.
Tudo isto, para os que tinham dúvidas, revela-os bem mais do que simples “copistas”: Autores. Com A grande.
E, deixa no ar a (enorme) dúvida sobre até onde poderiam ter ido (ou ainda ir…) alguns deles se tivessem total liberdade criativa - o que, naturalmente, é inimaginável quando se trabalho num estúdio de alguém com as personagens desse alguém – ou se encetassem uma carreira a solo.
Outro aspecto fundamental deste “Ouro da Casa” é a forma como faz olhar de forma diferente para a Turma da Mônica – e para as outras turmas  de  Maurício de Sousa com o Astronauta em especial destaque – muitas vezes (erradamente) conotada apenas como um produto puramente comercial e, mais ainda, a apreciá-la melhor.
Porque só uma criação tão rica, variada, diversificada, coerente, consistente e bem arreigada no imaginário de sucessivas gerações poderia permitir tantas, tão diferentes e tão estimulantes leituras.
E, se são muitas as obras que, sem menosprezo para as outras, se justificava destacar – e com certeza cada leitor de “Ouro da Casa” terá as suas favoritas – umas pela sua qualidade gráfica, outras pela forma como seguiram ou subverteram as narrativas originais; umas pelo modo como emularam o universo original, outras pela maneira como o desconstruíram ou reconstruíram, uma há, especialmente inspirada, que me parece que sintetiza com invulgar felicidade o espírito desta obra e desta homenagem.
Tem por título “O homem que gostava de contar histórias”, foi feita por Edson Itaborahy, está desenhada com o traço delicioso e ternurento que a prancha abaixo desvenda, é anonimamente protagonizada pelo próprio Maurício, e conclui com uma certeira afirmação: “Talvez seu mundo não substitua o nosso… mas, hoje, é difícil imaginar o nosso mundo sem o dele”.
“Ouro da Casa” é (mais) uma prova disso.


Mucha: encontro com os leitores









No próximo sábado, dia 2 de Março, às 18h00, estarei na Bedeteca de Beja (Casa da Cultura de Beja, na Rua Luís de Camões), juntamente com Osvaldo Medina e Mário Freitas, para um encontro com os leitores em torno de Mucha: livro de banda desenhada, editado pe-la Kingpin Books (2009), com argumento meu e arte de Osvaldo Medina e Mário Freitas.
No mesmo dia, inaugura uma exposição com pranchas originais de Mucha.

Leitores e fãs de Beja, passem a palavra e apareçam: será uma boa oportunidade para conversarmos e para assinar os vossos livros.
           
(Convite enviado por David Soares)

27/02/2013

A arte de... Raives
















Après-guerre - tome 1: L'Espoir
Warnauts e Raives
Le Lombard
França, 15 de Março de 2013
241 x 318 mm, 64 p., cor, cartonado
14,99 €

26/02/2013

Leituras nas Livrarias


Fevereiro de 2013

Os textos, quando existem, são da responsabilidade das editoras.
Algumas das edições aqui apresentadas podem ter sido editadas anteriormente,
mas só agora tomei conhecimento delas.

NetCom2 Editorial
Olivier Marin, Metapat e Émilio Van der Zuiden

Entre a praia e escapas românticas, Margot percorre a Riviera Francesa juntamente com o seu noivo, Louis. No final de uma curva, cruza-se abruptamente com Michelle, piloto de rali. Depois de uma conversa e um jantar, Margot torna-se numa piloto de rali, conduzindo um Citroën DS patrocinado pela Michelin.
Na verdade, Louis está a testar um pneu novo e revolucionário, que gera muita ganância. A tenebrosa Penélope, piloto americana ávida de vitórias, não pensa em deixar a bonita jornalista roubar-lhe o troféu.

Gilles Chaillet e Christophe Ansar

Setembro do ano 394. A Antiguidade chega ao anoitecer. Ameaçado por todas as suas fronteiras, o antigo Império Romano parece mais absorvido pelas lutas internas do que pelo perigo bárbaro. O imperador cristão Teodosio e o seu mestre de cavalaria, Estilicón, entram na diocese de Itália liderando um exército muito pouco romano... Ao redor das suas legiões antigas, revelam-se as faixas de Godos, Alanos, Arménios, Medas, Árabes... E inclusive, Hunos!
Os cristãos cercaram Roma, anunciando a queda do paganismo. É então que começam os conflitos bélicos e religiosos. Roma fica emersa na tempestade. No meio de tanta confusão, Flaviano mantém-se como pode até ao dia em que a sua família é assassinada.
Por casualidade, Flaviano inicia-se no culto sibilino e desce literalmente aos infernos onde se converterá no Escolhido. Caber-lhe-á descobrir o desígnio dos deuses. Um desígnio selado por sete profecias das quais seis já foram reveladas...
Nada parece indicar que a última profecia, que falta cumprir-se, seja o prelúdio de uma nova era de felicidade...

Edição de Autor
José Abrantes

Cadernos José Abrantes #7

Gato Azul #1

Gato Azul #2

25/02/2013

Bienvenue à Jobourg











Pascal Rabaté
Futuropolis
França, 10 de Janeiro de 2013-02-21 195 x 265 mm, 80 p., pb, cartonado
16,00 €


Este livro, fruto de uma residência artística feita por Pascal Rabaté em Joanesburgo, África do Sul, em 2003, tem como protagonista Patrick, um jovem francês acabado de chegar a Joanesburgo para trabalhar na gráfica de um amigo do seu pai. Só que, atingido pelo azar, vê a empresa falir e o dono impossibilitado de lhe pagar o ordenado devido e mesmo o bilhete de avião para ele regressar.
Perante a nova situação, sozinho na capital de um país desconhecido, a tentar dar os primeiros passos na democracia e que possui uma das mais altas taxas de criminalidade e violência do mundo, Patrick vê-se dividido entre a vontade de regressar a todo o custo e a de prolongar a sua estadia e desfrutar da hospitalidade e do acolhimento do povo acolhedor que mora no Soweto, nos subúrbios da capital, que começa a compreender e a admirar.
Através dele – dos seus sustos e descobertas – Rabaté transmite um pouco do que ele próprio experimentou, utilizando um traço simples mas eficaz, muito dinâmico e expressivo, quase dando (a falsa) ideia que foi desenhando as situações ao mesmo tempo que as viveu – embora os croquis feitos no local, que ocupam as últimas páginas do livro, se revelem mais detalhados e completos que o traço do relato em si!
Nesta dualidade, entre a narrativa ficcional e a reportagem documental, “Bienvenue à Jobourg” cativa pela simplicidade do relato, deixando no final a sensação de que o livro terminou rápido demais e a vontade de acompanhar Patrick durante mais algum tempo.


Maurice Rosy (1927-2013)


Maurice Rosy (2011)
Foto de D. Pasamonik no ActuaBD
O belga Maurice Rosy faleceu no passado dia 23, contava 85 anos de idade.
Natural de Fontaine-l’Évêque, onde nasceu a 17 de Novembro de 1927, foi contratado em 1954 pelas Éditions Dupuis como “dador de ideias”, função criada especialmente para ele. Dois anos depois era promovido a director artístico da revista “Spirou”, cargo que ocuparia até 1971 em companhia de Yvan Delporte.
Durante esse período colaborou com Franquin em dois álbuns de Spirou e Fantásio - “O Ditador e o Cogumelo” e “Os Piratas do Silêncio” – e escreveu argumentos para séries como Jerry Spring, Tif e Tondu (onde foi o criador do vilão de serviço, M. Choc), Bobo, Boule e Bill, Max o explorador e Átila, que os portugueses puderam descobrir em revistas como Cavaleiro Andante, Tintin, Spirou, Jacaré ou Jornal da BD.
A partir de 1974 dedicou-se à ilustração de livros infantis e de publicações periódicas, bem como à publicidade.

24/02/2013

“O Mosquito” fechou asas há 60 anos















A 24 de Fevereiro de 1953 chegava aos quiosques portugueses “O Mosquito” n.º 1412, o último número da revista que tinha feito sonhar os jovens portugueses durante 17 anos.

A aventura de“O Mosquito”, encetada por Raúl Correia e António Cardoso Lopes (o célebre Tiotónio que muitos ainda recordarão) começara a 14 de Janeiro de 1936, de forma modesta, com apenas 8 páginas a uma cor e o preço de 50 centavos. No entanto, “0 semanário da rapaziada” como se autodenominava, rapidamente ganhou popularidade, aumentou o número de páginas, ganhou maior colorido, atingiu tiragens de 60 mil exemplares e chegou a ser publicado duas vezes por semana.
Esse tempo de glória ficou marcado por séries como “Pelo Mundo Fora”, “A Flecha de Ouro”, “O Gavião dos Mares”, “Os Náufragos do Barco sem Nome”, “O Voo da Águia”, “Cuto” ou “Serafim e Malacueco”, e pela arte de E.T. Coelho, Jayme Cortez, Vítor Péon, Jesus Blasco, Emílio Freixas, Walter Booth ou Reg Perrott, entre muitos outros. A par da banda desenhada, as páginas do “semanário mais bonito” encheram-se também de novelas e contos ilustrados, concursos, espaço para os leitores, separatas para as meninas (“A Formiga”) e construções de armar que divertiam enquanto educavam.
Na capa do número final, que ostentava um preço de 1$50, era anunciada “S. Cristóvam”, a adaptação aos quadradinhos de um conto de Eça de Queiroz. Deixada incompleta pelo fim da revista, esta banda desenhada da autoria de Eduardo Teixeira Coelho, sem dúvida o grande autor de “O Mosquito”, espelhava de alguma forma o que acontecera à publicação, presa ao passado e ultrapassada junto das preferências dos leitores pelos heróis norte-americanos do “Mundo de Aventuras” e pela banda desenhada franco-belga do “Cavaleiro Andante”, que prevaleceriam nos anos seguintes.

(Versão revista do texto publicado no Jornal de Notícias de 24 de Fevereiro de 2013)


23/02/2013

A arte de... Wilfredo Torres














The Shadow: Year One #1 (de 8)
Matt Wagner (argumento)
Wilfredo Torres (desenho)
Dynamite Entertainment
USA, 20 de Fevereiro de 2013
170 x 260 mm, 32 p., cor, comic-book
$USD 3,99

22/02/2013

J. Kendall #96





  


Aventuras de uma criminóloga
Uma maleta de neve
Giancarlo Berardi e Maurizio Mantero (argumento)
Antonio Marinetti (desenho)
Mythos Editora (Brasil, Novembro de 2012)
135 x 178 mm, 132 p., pb, brochado, mensal
R$ 8,90 / 4,00 €


Três jovens sem esperança – sem futuro? com que futuro? – decidem interceptar a venda de uma grande quantidade de droga para tentar, dessa forma, ficar bem na vida. No entanto, nem tudo corre bem durante a operação que descamba num tiroteio com várias vítimas mortais.
A monte, com a tensão a testar as relações entre eles, o trio tem no encalço os dois bandos que negociavam a droga e também a polícia de Garden City – com a habitual colaboração de Julia – que tenta evitar que o banho de sangue atinja maiores proporções.
É mais uma bela narrativa policial escrita por Berardi de forma consistente e aliciante, com uma bem conseguida surpresa final que ata pontas que pareciam perdidas e tem por pano de fundo – como base e motivo - fracturas sociais cada vez mais comuns nos nossos dias.
É uma abordagem – que não defende, não condena, apenas expõe – de tom humano que faz repensar escolhas e desejos, (re)lembra como muitas vezes está à nossa beira o que buscamos (tão) longe e permite, talvez, acalentar alguma esperança no ser humano…

Moura BD 2013







Está de regresso o Salão Internacional de Banda Desenhada de Moura, que terá a sua 18.ª edição entre   19   de Abril e 1 de Maio próximos.

Tal como na edição anterior, o salão decorrerá em simultâneo com a Feira do Livro e vai distribuir vários núcleos pela cidade. Desde logo o núcleo principal, em pleno centro da cidade, na Praça Sacadura Cabral, numa tenda gigante. Outros núcleos serão distribuidos pelo Espaço Inovinter, Posto de Turismo e Cine-Teatro Caridade.
O leque de autores homenageados engloba os portugueses Vassalo de Miranda e Zé Manel e o francês Hugues Barthe, que receberão os já tradicionais Troféus Balanito.
Quanto a exposições, para além das individuais dedicadas a cada um destes três autores, temos, para já garantidas as seguintes: “Eça de Queiróz na BD” e “Centenário de Willy Vandersteen” (ambas comissariadas por Luiz Beira), “Comic 21” (colectiva de autores granadinos), “Saramago em Caricaturas” (com trabalhos de autores portugueses e espanhóis), e a apresentação dos melhores trabalhos do 16.º Concurso de Banda Desenhada e do 14.º Concurso Escolar de BD (cujos regulamentos já estão disponíveis neste site – ver secção “Concursos”).
Quanto a edições, mantém-se a aposta nos Cadernos Moura BD, com um número dedicado a Vassalo de Miranda. Também a exposição de Zé Manel terá direito a catálogo numa produção da Humorgrafe/Osvaldo de Sousa. 
Está, também, no ar a possibilidade de, durante o salão, as edições Polvo fazerem o lançamento de um álbum de Hugues Barthe, embora ainda não possamos confirmar esta notícia.

(Texto da responsabilidade da organização)

21/02/2013

As Deusas da Estrada




  

As Investigações de Margot #2
Olivier Marin (argumento e desenho)
Metapat (argumento)
Émilio Van der Zuiden (desenho)
Callixte (cor)
NetCom2 Editorial
Portugal, Fevereiro de 2012
240 x 320 mm, 48 p., cor, cartonado
15,00 €


Depois do tomo inicial dedicado ao Citroen Traction 22, esta nova aventura da sensual Margot decorre sob o signo do Citroen DS – o velhinho boca-de-sapo – tendo por pano de fundo belezas femininas, rivalidades, ralis e espionagem industrial. O tom policial e de investigação dilui-se um pouco face ao ambiente desportivo predominante - , com a (cada vez menos) repórter estagiária da Auto Révue a descobrir dotes de piloto automóvel ao participar na taça das Mulheres, enquanto o seu namorado tenta manter em segredo o seu trabalho de desenvolvimento de novos pneus de competição.
Embora mais linear do que a primeira aventura de Margot – e com um final (desportivamente feliz) forçado e de todo desnecessário – em relação ao tomo inaugural a narrativa está melhor desenvolvida e estruturada, contando igualmente com um desenho mais equilibrado e agradável.
Como nota negativa – numa edição mais uma vez muito boa em termos de gráficos e de acabamentos – fica a deficiente revisão que deixou passar várias gralhas e até um balão em espanhol, em claro contraste com os três álbuns já editados em português pela NetCom2: “Keos #1: Osíris”, “As Investigações de Margot #1: O mistério do Traction #22” e “A Última Profecia #1: Viagem aos infernos”.

Às Quintas Falamos de BD


Encontro Imaginário com Fernão Mendes Pinto 


O Encontro Imaginário com Fernão Mendes Pinto é a próxima iniciativa de Às Quintas Falamos de BD e terá lugar no dia 28 de Fevereiro, pelas 21h00, no Centro Nacional de Banda Desenhada e Imagem.
Na última Quinta-Feira deste mês Hélder Costa entrevistará Fernão Mendes Pinto, interpretado pelo ator Sérgio Moras.
Presentes estarão também autores de BD, ilustração e cartoon que trabalharam a Peregrinação e seu autor, personagem central da mostra em exibição no CNBDI.
Apareça e tome um café connosco, contamos consigo.

(Texto da responsabilidade da organização)


15 anos FNAC, 15 anos de Cultura




No próximo dia 28 de Fevereiro, quinta-feira, às 18h a FNAC de Santa Catarina, no Porto, organiza uma apresentação subordinada ao tema “15 anos FNAC, 15 anos de Cultura”.
Vão lá estar a Inês Nadais (para falar de teatro), o Pedro Rios (música), o Sérgio Almeida (literatura) e eu próprio para abordar os últimos 15 anos aos quadradinhos.
Apareçam… se quiserem!

30 anos sem(pre) Hergé



















No dia 3 de Março, domingo, às 17 horas, vou estar na FNAC do GaiaShopping, para uma conversa que tem por objectivo assinalar os 30 anos da morte de Hergé.
Apareçam… se quiserem!


20/02/2013

Soldado de Invierno #1

El Invierno más largo


  
















Colecção 100% Marvel
Ed Brubaker (argumento)
Butch Guice e Michael Lark (desenho)
Stefano Gaudiano, Brian Thies, Tom Palmer (arte-final)
Bettie Breitwiser, Jordie Bellaire, Mathew Wilson (cor)
Panini Comics
Espanha, Janeiro de 2013
170 x 260 mm, 200 p., cor, brochado com badanas
15,00 €

Resumo
A “descoberta” de que Bucky Barnes não tinha morrido durante a Segunda Guerra Mundial e tinha adoptado a identidade de Soldado Invernal, acabando mais tarde por se transformar no novo Capitão América após a “morte” de Steve Rogers no final da Guerra Civil - como visto em “La muerte del Capitán América”,  “El peso de los sueños” e “El hombre que compró América”  - abriu uma ampla janela para novas histórias em torno do seu passado.
Esta compilação, que reúne os comics originais norte-americanos “Winter Soldier” #1 a #9 (Abril a Outubro de 2012) é o primeiro passo nesse sentido. Com Barnes de volta ao uniforme de Soldado Invernal, ela revela como ocorreu a sua transformação numa máquina assassina ao mesmo tempo que o mostra, no presente, juntamente com a Viúva Negra, a enfrentar uma ameaça em solo norte-americano causada pelo despertar de agentes (ex-soviéticos) adormecidos e que ele próprio treinou.

Desenvolvimento
Desta forma, embora possa soar um pouco anacrónico, a história assume em grande parte um tom de espionagem mais próprio do período da Guerra Fria, com os protagonistas, escudados pela SHIELD, a enfrentarem mercenários que compraram os códigos necessários para despertar três agentes em animação suspensa, escondidos nos Estados Unidos.
Brubaker, que começou a sua carreira como escritor de histórias policiais, mais uma vez expõe o seu talento nesta área, com uma narrativa densa, bem sustentada, onde os períodos de investigação, perseguição (muitas vezes na sombra) e de suspense, onde a aproximação ao objectivo parece ficar sempre um pouco aquém do esperado, estão entremeados com aqueles em que a acção explode, de forma ampla e violenta, num contraste bem doseado.
A par dos desenvolvimentos no presente, que predominam, Brubaker vai inserindo alguns flashbacks que aos poucos vão revelando o passado “russo” de Bucky Barnes e da Viúva Negra, ajudando a contextualizar o relato actual.
As diferentes personagens estão bem desenvolvidas e caracterizadas, evoluindo de forma natural no contexto em que o argumentista as colocou.
O traço de Guice, primeiro, e de Lark, nos quatro capítulos finais, se não tem a capacidade de deslumbrar do desenho hiper-realista de Steve Epting nos arcos da morte e substituição do Capitão América já referidos, pelo tom sombrio e menos definido adoptado, cria o ambiente ideal para o tom da narrativa que, sendo na sua base uma história de super-heróis, possui mais do que o necessário para cativar os apreciadores de narrativas policiais e de espionagem.
Como único senão – compreensível – fica o arco em aberto no final deste tomo, o que leva a desejar que a Panini (espanhola) edite rapidamente – logo que possível dada a proximidade entre esta edição e a original norte-americana – o tomo seguinte.



A arte de... Nuno Plati














Alpha: Big Time #1
Joshuah Fialkov (argumento)
Nuno Plati (desenho)
Marvel Comics
USA, 20 de Fevereiro de 2013
170 x 260 mm, 32 p., cor, comic-book
$USD 2,99
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...