Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

10/02/2017

Motorcity

Um velho vício






A linha clara de Berthet atrai-me como a luz atrai as borboletas nocturnas.
E mesmo que alguns digam que ele se repete álbum após álbum, continuo a deixar-me levar pela sua linha clara com belas cores lisas de David.
Neste seu novo trabalho, Berthet, desta vez em parceria com Sylvain Runberg narra-nos um policial ambientado na Suécia – uma espécie de moda desde a trilogia Millennium de Stieg Larsson, que (não?) por acaso Runberg adaptou para BD – centrado num fenómeno de contracultura com relevância local: o raggare. Ou seja, a paixão pelos carros, as roupas, os penteados e a música dos anos 50 dos Estados Unidos, que congrega jovens e menos jovens, unidos num festival que dá nome ao álbum. Fenómeno nascido no pós-Segunda Guerra Mundial, continua vivo e conotado com alguma violência urbana que os defensores negam, preferindo salientar o lado rebelde que os orienta e os leva a utilizar como símbolo a bandeira dos confederados na Guerra Civil norte-americana. E pretexto para Berthet brilhar no desenho de utensílios e motivos de uma das épocas em que se move mais à vontade.
O ponto de partida de Motorcity é o regresso da recém-formada inspectora Lisa Forsberg à pequena cidade de Linkoping, onde cresceu, e o seu primeiro dia no comissariado local, que coincidem com a investigação do desaparecimento de Anton Wiger, conotado com o movimento raggare e com um passado algo turbulento desde a adolescência.
A par do reencontro – nem sempre ansiado - com velhas amizades - … e inimizades – e a desconfiança pressionante de um dos veteranos da polícia, o inquérito, aparentemente sem razão de ser no início, cruzar-se-á com uma investigação de tráfico de droga. Aos poucos, de uma forma que seduz e mantém o leitor suspenso do desfecho, acabará por assumir proporções e contornos inimagináveis e – tal como em Millennium – níveis de violência, física e psíquica inauditos e revelar como os suecos – parte deles, pelo menos… - têm um lado oculto, sombrio, pervertido e perturbador.

  
Motorcity
Collection Ligne noire
Sylvain Runberg (argumento)
Philippe Berthet (desenho)
Dargaud
França, 20 de Janeiro de 2017
EAN 9782505064824
241 x 318 mm, 64 p., cor, capa dura
14,99 €

(imagens disponibilizadas pelo editor; clicar nelas para as aproveitar em toda a sua extensão)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...