Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

18/05/2017

J. Kendall #126

Cinzentos


Uma das características evidentes na escrita de Berardi para Julia, são os retratos credíveis que traça de cada interveniente e, através deles, a forma como reconstrói perante os olhos dos leitores a sociedade.
Com ele, os protagonistas - como o mundo - estão longe de ser a preto e branco. Mais, a verdade são os tons intermédios de cinzento que imperam, pois todos têm defeitos, segredos, medos, qualidades…
Em Mulher de Paz, que abre esta edição, essa é uma característica premente, num argumento original que, mais uma vez, quebra regras e a lógica que alguns preferiam ver estabelecidas, numa constante mudança de paradigmas e de temáticas sem, no entanto, nunca abdicar da estrutura e dos princípios da série.
No centro da história está Fatima Lehri, líder de um país asiático, de visita aos EUA para expor as condições críticas em que o seu povo vive e recolher apoios para a sua luta. No seguimento de um atentado, Julia, Alan e Irving acabam envolvidos na segurança de Fatima, encarregados de assegurar a sua protecção e, se possível, de descobrir quem a tenta matar.
Só que rapidamente o leitor vai entender que se nem tudo têm sido ‘rosas’ no percurso da líder política, iniciado após a morte do marido – e com muitos pontos de contacto com personalidades reais que todos podemos (re)conhecer - muitos dos espinhos foram originados por ela, pelas suas acções, e – como sempre, na política como em todos os quadrantes da vida – não há ninguém só bom ou só mau, há seres humanos com qualidades e vícios.
Porque, nunca é demais relembrar, ao longo da História, tantas vezes aqueles que uns consideram terroristas, são endeusados por outros como combatentes pela liberdade… E embora os fins não justifiquem os meios, as decisões tomadas podem revelar-se dúbias e até penalizadoras, e embora positivas no papel e na mente de quem teve de as fazer, apresentarem consequências negativas quando levadas à prática.
Sobressai, assim, mais uma vez, o olhar desencantado de Berardi sobre o ser humano e a sociedade em geral, num relato que ostenta inúmeros tons de cinzento…

Quanto à jovem Julia, no segundo relato deste volume, ao investigar o desaparecimento de um autocarro escolar, que se transforma no rapto das crianças que nele seguiam, em O Caso do Ônibus Fantasma, irá aprender que para descobrir a verdade muitas vezes basta fazer as perguntas certas às pessoas certas, mesmo quando tudo na realidade parece apontá-las como perda de tempo, no prosseguimento do processo de descoberta e crescimento que a transformaram na criminóloga mais conhecida de Garden City.

J. Kendall #126
Aventuras de uma criminóloga
Histórias originalmente publicadas em Julia #144 e em Almanacco del Giallo 2013

Mulher de Paz
Giancarlo Berardi e M.Mantero (argumento)
Steve Boraley (desenho)

O Caso do Ônibus Fantasma
Giancarlo Berardi e Maurizio Mantero (argumento)
Giuseppe Candita (desenho)

Mythos Editora
Brasil, Janeiro/Fevereiro de 2017
135 x 180 mm, 224 p., pb, capa mole, bimestral
R$ 23,90 / 8,00 €

(clicar nas imagens para as apreciar em toda a sua extensão)

2 comentários:

  1. Boa tarde Pedro. Esta crítica e a informação do preço para Portugal significa que está a venda por cá ou continua tudo igual desde a noticia do cancelamento? Obrigado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eskorpiao77,
      Está tudo na mesma.
      A Mythos teve que mudar o responsável pelos contactos com a distribuidora em Portugal e tudo aponta para que Julia, Tex e zagor regressem após as férias.
      Boas leituras!

      Eliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...