Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

01/08/2017

398.ª Tertúlia BD de Lisboa

´



(nota informativa disponibilizada pela organização)
1 de Agosto de 2017
Convidada especial: Patrícia Guimarães
R. Portas de santo Antão, nº 58 - Lisboa

Patrícia Guimarães nasceu em 1985, em Lisboa.
Desde miúda que rabiscava as paredes da sala e dos quartos lá de casa. Mais tarde passaram a ser os cadernos da escola. O primeiro dia de escola foi um tormento, mas depois para além de desenhar percebe que gosta de ler
e criar histórias.
O contacto com a Banda Desenhada chega com o Tio Patinhas e o Donald que lia de uma assentada. A seguir tenta acompanhar as aventuras dos super-heróis da Marvel, mas depressa se cansa.
Surgem as visitas anuais ao Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora (quando a “Fábrica da Cultura” era verdadeiramente incrível!) e nessa altura os livros de Jean-Pierre Gibrat e Massimiliano Frezzato, ou Quino.
Mas será mais tarde, já na faculdade que irá descobrir outros artistas que irão influenciar o seu trabalho, tais como Roland Topor, Hieronymus Bosch, Goya, Lorenzo Mattotti, João Fazenda, Filipe Abranches, Susa Monteiro, Alain Corbel, Marjane Satrapi, as animações de José Pedro Cavalheiro (Zepe), de Regina Pessoa, José Miguel Ribeiro, Marie Paccou, Michaela Pavlátová, Koji Yamamura e muitas outras referências visuais e/ou literárias como as que lhe vão chegando em conversas com amigos/as da área.
Não sabe como foi parar à Animação, mas depois de ter experimentado só pensa em dar vida às suas histórias, entretanto, e porque não existe uma sem a outra, vai fazendo Banda Desenhada e Ilustração.

CV
Patrícia Guimarães, Licenciou-se em Arte e Multimédia - Animação, na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa (FBAUL).
Em 2014 frequentou o Curso Laboratório de Ilustração e Banda Desenhada, na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa (FBAUL).
De 2014 a 2015 integrou a equipa de traçagem na produtora MODOImago para a produção dos filmes de animação VÍGIL e A CASA ou a Máquina de Habitar de Catarina Romano, participou ainda no desenvolvimento de outros projectos de animação.
Em 2015 apresentou “STABAT MATER”, no ano seguinte “MANUELinútil” publicados em parceria com a Façam Fanzines e Cuspam Martelos (Tiago Baptista e Catarina Domingues).
Na mesma altura, participou activamente no projecto artístico SOU ESTA CASA.
Em 2016 vence o 3.º Prémio no Concurso Nacional de Banda Desenhada e Cartoon 2016, na categoria de BD, na 27.ª Edição do Festival Internacional de Banda Desenhada da Amadora.
Tem trabalhos publicados em fanzines como Nicotina, Preto no Branco, Your Mouth Is A Guillotine e O Princípio.
Actualmente desenvolve projectos de Banda Desenhada, Ilustração e Animação 2D.


 

 
(imagens disponibilizadas pela organização; clicar nelas para as aproveitar em toda a sua extensão)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...