Este blog está correctamente escrito em português, à revelia do triste acordo ortográfico em vigor.

18/12/2017

Giorgio Cavazzano: “Gosto de personagens difíceis de desenhar”









Chama-se Giorgio Cavazzano, comemora este ano meio século de carreira como desenhador Disney e foi um dos cabeças de cartaz de BD da Comic Con Portugal 2017, oportunidade aproveitada para uma conversa descontraída e bem-disposta.
Italiano de Veneza, onde nasceu a 19 de Outubro de 1947, começou profissionalmente “aos 14 anos(!) como assistente do grande Romano Scarpa”. Seis anos depois, era publicada a primeira história desenhada por si, “Paperino e il singhiozzo a martelo”, cumprindo um “sonho de criança, ser desenhador de BD”, mas também de forma “natural e quase inevitável”, pois era “primo de Luciano Capitanio, outro desenhador Disney”.
Se Donald, é geralmente apontado “por todos os autores como a personagem ideal”, Cavazzano prefere “personagens difíceis de trabalhar”. Como “Mickey, que tem pequena estatura, mas uma grande expressividade facial e uma dinâmica muito específica, pois é um herói de aventuras”.
Acha natural a evolução dos heróis Disney, pois “que segue as vontades dos leitores”, logo “a violência, a pobreza e outros aspectos chocantes existentes nas bandas desenhadas originais foram banidos: a casa de Donald, por exemplo, era terrível, com buracos, uma lata a servir de lareira…”. Também por isso, a rivalidade entre Mickey e Bafo-de-Onça – o nome português provoca-lhe uma grande gargalhada – evoluiu, “sendo hoje essencialmente um fonte de gags baseados na estupidez do bandido, que é quase um alter-ego de Mickey”.
Os 50 anos de carreira Disney foram assinalados com uma história “muito especial”, a personificação de Corto Maltese pelo mesmo Mickey, não “uma paródia mas sim um gesto de afecto para com o meu amigo Hugo Pratt”.
Numa carreira tão longa em que chegou a escrever as suas próprias histórias, a certa altura sentiu a “necessidade de diversificar, de criar coisas pessoais, de fazer incursões pela publicidade e a animação”. Entre elas, surgiu, em 2003, “a primeira história Marvel 100 % italiana, ‘Spiderman: Il Segreto del Vetro’, ambientada em Veneza”, que foi muito divertido mas para a qual se sentiu na obrigação de fazer “inúmeros esquissos e desenhos preparatórios para captar a essência e a dinâmica do super-herói”. A Marvel quis dar continuidade à colaboração e Cavazzano propôs-se “desenhar The Punisher, mas o projecto não avançou”.
Do seu percurso faz também parte um convite de Sergio Bonelli “para desenhar um Tex Gigante”, recusado porque nunca foi “capaz de desenhar cavalos!”.
A atracção pela dificuldade leva-o a afirmar que “se pudesse escolher, gostava de desenhar uma história com o Quarteto Fantástico, pois são vários Essa atracção pela dificuldade leva-o a afirmar que “se pudesse escolher, gostava de desenhar uma história com o Quarteto Fantástico, pois são vários protagonistas e todos completamente diferentes.” E acrescenta com humor: “Mas o senhor Fantástico seria simples, bastava mostrá-lo sempre esticado e de perfil: era só uma linha!”.

(versão integral do texto publicado no Jornal de Notícias de 17 de Dezembro de 2017; clicar nas imagens para as aproveitar em toda a sua extensão)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...